Tempo de leitura: 3 minutos

O estudante de Economia Rudson Soares, de 24 anos, é candidato a coordenador geral do Diretório Central dos Estudantes Carlos Marighella (DCE) pela Chapa 2, intitulada Juntos pela Uesc. A eleição dos novos membros do órgão estudantil começou hoje (12) e seguirá até amanhã (13).

Há pouco, o PIMENTA publicou matéria com as propostas da Chapa Semear (veja aqui). Agora, o site traz o contraponto de Rudson à crítica central do grupo adversário às últimas gestões do DCE, além da perspectiva do candidato da Chapa 2 sobre pautas que considera urgentes para os estudantes.

RÉPLICA

A Chapa Juntos pela Uesc tem o apoio do Coletivo Quilombo, do qual Rudson faz parte e que também apoiou os representantes eleitos nas últimas duas eleições do DCE, Josimar Ferreira e Tami Messias. Segundo a crítica de Camila Pereira, candidata da Chapa Semear, faltou às gestões recentes autonomia para pautar as demandas do movimento estudantil junto ao governo estadual, liderado pelo Partido dos Trabalhadores há 15 anos.

– O movimento estudantil sempre foi autônomo. A gente tem histórico de luta desde a década de1980, antes da estadualização de 1991. Hoje a Uesc é um patrimônio público do sul da Bahia – declarou o candidato, recorrendo à memória do papel de vanguarda dos estudantes naquela conquista política.

Rudson também saiu em defesa das gestões contemporâneas. “A gente pode pegar o histórico recente, quando o DCE foi gerido por representantes do Coletivo Quilombo, a companheira Thami Messias e o companheiro Josimar Ferreira. Em ambas as gestões, que foram de continuidade, conquistamos muitas coisas, como a questão do restaurante universitário ter três refeições de qualidade”.

Último coordenador eleito do DCE, Josimar Ferreira também disse ao PIMENTA que discorda da avaliação de Camila Pereira. “O movimento estudantil tem conquistas importantes. Desconsiderar essas conquistas, deslegitimar o movimento estudantil organizado na Uesc e na Bahia, é desrespeitar a história de muitas pessoas que vieram antes de nós. Não falo de mim. Falo de uma Universidade que conquistou sua estadualização e hoje é pública e gratuita”.

DEMANDAS PRIORITÁRIAS

Segundo Rudson, os estudantes têm duas pautas urgentes. A primeira é a ampliação dos serviços do Restaurante Universitário (RU), que oferece mil refeições diárias a preço subsidiado, mas hoje não tem dado conta da demanda, que supera a de 3 anos atrás.

“[O RU] é uma conquista. É muito raro no Brasil encontrar bandejão a R$ 1,00 e oferecendo café da manhã, almoço e janta”, assegura o candidato, antes de explicar o desafio atual. “Em 2019, o problema era o tempo de espera da fila. Hoje, o problema é o estudante chegar e, em menos de meia hora de abertura, não ter mais ficha de subsídio. A conjuntura econômica é diferente. A gente tem mais pessoas em insegurança alimentar”.

Ele explicou que apenas um estudo, com base no volume do consumo atual do RU e na estimativa da demanda reprimida, pode indicar as reais necessidades de adequação dos serviços e da estrutura do estabelecimento.

A segunda demanda é a regularização dos serviços da Coordenação Geral de Estágio, aponta Rudson. A tramitação burocrática de documentos solicitado por alunos sofre com atrasos que, segundo o candidato, já rendem fama negativa para a Uesc na iniciativa privada, em razão da dificuldade de regularização dos contratos de estagiários. O problema já fez com que estudantes perdessem bolsas pelas quais lutaram. “É uma falha grave”, resume.

CONVERGÊNCIA

A exemplo de Camila Pereira, Rudson Soares entende que as bolsas do Mais Estudo devem ser corrigidas pela inflação ou acima das perdas inflacionárias. Rudson acrescentou que o mesmo deve ser feito em relação às bolsas de pesquisa, ensino e extensão. Ambos concordam quanto à necessidade de que o Mais Estudo adote apenas critérios socioeconômicos, ou seja, que não desligue estudantes em razão de reprovações ou do trancamento de matérias.

Os candidatos também convergem na defesa do fim do contingenciamento de recursos das universidades estaduais e do aumento do orçamento delas de 5% para 7% da Receita Corrente Líquida do Estado.

COTAS E PROGRAMA

No final da conversa com o PIMENTA, Rudson Soares defendeu o projeto de lei que prorroga a política nacional de reservas de vagas por 50 anos. Segundo ele, as cotas para negros, indígenas e estudantes de escolas públicas já se provaram um sucesso e devem ser mantidas, já que a Lei de Cotas vai expirar em agosto de 2022.

A defesa das cotas e de Uesc plural também são eixos centrais do programa da Chapa Juntos pela Uesc. Clique aqui para ler na íntegra.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.