Tempo de leitura: < 1 minuto

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) fez um levantamento em todo o Brasil sobre quais dos 6.028 candidatos a deputado federal têm mais chances de sair vitoriosos das urnas em 3 de outubro.
Na Bahia, o Diap declinou os nomes de 51 candidatos com maiores possibilidades de “voar” para Brasília. Do sul da Bahia, estão na lista de prováveis reeleitos Veloso (PMDB) e Geraldo Simões (PT) e Uldurico Pinto (PHS), além do retorno de Josias Gomes (PT) e chegada do “calouro” Valmir Assunção (PT).
A lista foi feita, segundo o Diap, levando em conta informações qualitativas e quantitativas, incluindo desempenho individual do candidato, trajetória e popularidade do partido, recursos disponíveis, coligações e pesquisas eleitorais.
Pelos prognósticos do Diap em nível nacional, o PT terá a maior bancada na Câmara, seguido pelo PMDB e, mais distante, o PSDB. “O levantamento não possui caráter de pesquisa eleitoral”, observa. Clique no “leia mais” e confira os nomes daqueles com maiores chances de ir para Brasília (por partido).
DEM
ACM Neto, Cláudio Cajado, Fábio Souto, Gerson Gabrielli, Jorge Khoury, José Nunes, Luiz Carreira, Luiz de Deus e Paulo Magalhães.
PCdoB
Alice Portual, Daniel Almeida e Edson Pimenta
PDT
Félix Júnior, José Carlos Araújo e Marcos Medrado.
PHS
Uldurico Pinto
PMDB
Arthur Maia, Colbert Martins, Lúcio Vieira Lima, Marcelo Guimarães Filho, Severiano Alves e Veloso.
PP
João Leão, Luiz Argôlo, Mário Negromonte e Roberto Britto.
PR
João Carlos Bacelar, José Rocha, Maurício Trindade e Tonha Magalhães.
PRB
Márcio Marinho
PSB
Domingos Leonelli
PSC
Sérgio Brito
PSDB
Antonio Imbassahy, João Almeida e Jutahy Júnior.
PT
Afonso Florence, Amauri Teixeira, Emiliano José, Geraldo Simões, Josias Gomes, Luiz Alberto, Nelson Pelegrino, Rui Costa, Sérgio Carneiro, Valmir Assunção, Waldenor Pereira e Zezéu Ribeiro.
PTB
Benito Gama, Jonival Lucas
PV
Edgar Mão Branca e Rose Bassuma

Tempo de leitura: < 1 minuto

Orlando, o pula-pula.

O deputado estadual Heraldo Rocha (DEM) quase foi às lágrimas em viagem recente à fecunda Buerarema. Reclamava da traição do ex-prefeito Orlando Filho, homem de pouca fé que tem se aventurado na arte de pular de galho em galho a cada eleição. Nesta, por exemplo, abandonou o democrata para apoiar Cláudia Oliveira (PTdoB).
Rocha chora “sem motivo”. Orlando traiu o campo progressista logo quando ganhou sua primeira eleição a prefeito de Buerarema, em 2000. Apoiado pelo PT e pelo PSB, logo após eleito ele desfilou com o próprio Rocha pela cidade em carro aberto. E lá se vão dez anos. De lá para cá, deixou figuras como Geraldo Simões e Lídice da Mata pela estrada.
Mais recentemente, traiu o próprio grupo e, numa jogada política, articulou-se para manter o prefeito interino, Eudes Bonfim (PR), com quem tem mantido ótimas relações. Já em 2008, traiu o próprio grupo ao escolher para sucessor um nome que foi vice do arqui-inimigo Mardes Monteiro, o Cristóvam Monteiro (PMDB).
Aliás, de tanto trair, Orlando – que começou no PSB, pulou para o DEM e hoje está no PSDB – acabou traído. Depois de arrebanhar com motivos reais três lideranças políticas e ex-vereadores do seu município, provou do próprio veneno ao vê-los junto com o prefeito cassado, Mardes Monteiro, apoiando as candidaturas de Luiz Argôlo (federal) e Zé Neto (PT).

Tempo de leitura: 1 minuto

Geddel cresce 3 pontos e vai a 14%

Pesquisa Datafolha divulgada na edição da Folha deste sábado mostra que aumentou para 30 pontos a vantagem do governador Jaques Wagner (PT) sobre o segundo colocado, o ex-governador Paulo Souto (DEM). O petista tem 48% das intenções de voto e o democrata, 18%. Geddel Vieira Lima (PMDB) aparece agora com 14%.
Neste cenário, Wagner estaria reeleito no primeiro turno. Geddel e Souto estão empatados, tecnicamente. Em relação à última pesquisa, Wagner oscilou de 47% para 48% e Souto perdeu cinco pontos (tinha 23%), enquanto Geddel saiu de 11% para 14%.
Tanto o ponto ganho pelo governador como o crescimento do ex-ministro peemedebista estão dentro da margem de erro da pesquisa (três pontos percentuais).
A pesquisa aferiu que 13% estão indecisos e 5% dos consultados pretendem votar em branco ou nulo soma. Na espontânea (quando o eleitor diz em quem pretende votar sem que lhe apresentem cartela com os nomes dos candidatos), Wagner tem 31%, Souto 8% e Geddel, 7%.
No queisto rejeição, 32% dos eleitores consultados disseram que não votariam em Paulo Souto. 21% rejeitam a ideia de votar em Geddel. A rejeição de Wagner é de 15%.
EMPATE NA DISPUTA AO SENADO
A pesquisa Datafolha aferiu situação de empate técnico na disputa ao Senado Federal. César Borges (PR) aparece com 31%, mas é perseguido por Lídice da Mata (PSB), que cresceu seis pontos e aparece com 28%, e Walter Pinheiro (PT), com 26%.
Em relação à última pequisa Datafolha, Pinheiro cresceu cinco pontos percentuais. Assim como na disputa ao governo do estado, a margem de erro no levantamento ao Senado é de três pontos.
Confira também os resultados da pesquisa Ibope/Rede Bahia
IBOPE NA BAHIA: A NOVIDADE É A QUEDA DE PAULO SOUTO
EMBOLA DISPUTA AO SENADO NA BA, DIZ IBOPE

Tempo de leitura: < 1 minuto

Candidato uiva na telinha.

O radialista José Bonfim dos Santos, o Jota Raimundo (PR), deixou o microfone da Ubatã FM, no sul da Bahia, para lançar-se na disputa por vaga à Assembleia Legislativa baiana.
O “rechonchudinho” Jota Raimundo faz o que pode.
E surpreende na hora de pedir voto:
– AuuuuuU!!! Chuva no cacau, painho! – é o que consegue dizer (ou uivar) na telinha do horário eleitoral gratuito.
As cadelinhas do home oficce do Pimenta latiram – em sinal de reprovação.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Se acumula algumas derrotas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) nesta segunda-feira, com a perda de aproximadamente 8 minutos do tempo de tevê, o governador Jaques Wagner terá pelo menos um motivo para sorrir:  a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) opinou pelo registro de candidatura de Otto Alencar (PP), vice na chapa do “Galego”.
A coligação “A Bahia tem pressa”, do PMDB do ex-ministro Geddel Vieira Lima, havia entrado com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra acórdão do TRE, e pediu que fosse negado o registro a Otto.
A PGE assim não entendeu e deu parecer favorável ao candidato a vice, por não ter nada que caracterizasse dupla filiação.
O imbróglio começou quando Otto assumiu cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), mas não havia dado baixa em sua filiação ao PR do senador César Borges. Mas a desfiliação seria automática, para que assim o conselheiro pudesse assumir o cargo no tribunal.
Neste ano, ele decidiu pela sua filiação ao PP e, assim, concorrer ao Senado. Borges foi um dos primeiros a manifestar interesse na derrubada das pretensões de Otto, que acabou candidato a vice, alegando a dupla filiação. As ações movidas tanto na justiça de Ruy Barbosa quanto em Salvador foram julgadas favoravelmente ao candidato a vice na chapa petista.
O parecer da Procuradoria-Geral, liberando a candidatura de Otto Alencar, já foi entregue à ministra-relatora, Cármem Lúcia, segundo afirmou ao Pimenta o advogado Sidney Neves.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Conforme a pesquisa divulgada pela Rede Bahia, o senador César Borges (PR) tem 35% das intenções de voto e Lídice da Mata (PSB) subiu de 25% para 32%. Walter Pinheiro (PT) aparece na terceira colocação, com 29%.
O ex-prefeito de Feira, José Ronaldo (DEM) aparece com 9% e Edivaldo Brito (PTB) pontua com 7%. José Carlos Aleluia (DEM) soma 6% das intenções de voto. A pesquisa foi feita nos dias 24 a 26, ouviu 1.008 eleitores e tem margem de erro de três pontos percentuais.
Na última pesquisa Ibope (relembre aqui), César Borges aparecia com 38% das intenções  e caiu para 35%, mas dentro da margem de erro. Lídice saiu de 25% para 32% e Pinheiro saltou de 23% para 29%.
Tanto esta como a pesquisa Datafolha não tiveram tempo para aferir o impacto da visita de Lula e do seu pedido de voto para Lídice e Pinheiro. O presidente da República esteve em Salvador nesta quinta e participou de comício de Wagner na praça Castro Alves, à noite.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Na sexta-feira (20), vereadores diziam que se houver algum fiapinho que ligue o prefeito Capitão Azevedo às tentativas de exonerações em massa na Câmara, ele pode se preparar.
Um deles ligou para o secretário de Administração, Gilson Nascimento, e este negou participação do governo municipal na ação mal calculada.
Azevedo não teria intenções saneadoras em relação à Câmara. Longe disso, quer criar turbulência para governar em mar (ainda) mais calmo.
Fato é que o primeiro-secretário, Roberto de Souza, está convicto de que a presença ostensiva de guardas municipais na Câmara, na última sexta, não foi algo pensado pelo presidente da Casa, Clóvis Loiola. Teria dedo do governo. Está de butuca.
O mar vai pegar fogo. Quem ficar de camarote talvez coma peixe frito.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O vereador Milton Gramacho se enrolou todo, ontem, ao tentar defender a gestão do prefeito Capitão Azevedo (DEM), do qual é líder na Câmara.
Provocado pelo primeiro-secretário da Casa, Roberto de Souza, Milton não deixou pedra sobre pedra:
– O governo tem prezado pela seriedade, mas não pode sair por aí acusando ninguém sem provas. Azevedo vem agindo, ao contrário dos outros governos, que não apuravam nada, empurravam tudo pra baixo do tapete.
Em tempo: Roberto lamentava o fato de não ter quórum na sessão para instalar comissão de inquérito para investigar falcatruas do governo municipal. Ontem, por sinal, só houve leitura de ata e de pedidos de providências. Os nobres edis encontram-se em campanha eleitoral.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Loiola quer "salvo-conduto" para sair do PPS

A vereadora itabunense Rose Castro conseguiu recentemente o aval da justiça para deixar o PR, sem correr o risco de uma ação por infidelidade partidária. O advogado da política alegou que ela era discriminada dentro da própria legenda.
O argumento e a estratégia animaram o presidente da Câmara de Itabuna, Clóvis Loiola. Segundo o blog Políticos do Sul da Bahia, ele está interessado em utilizar-se do mesmo advogado da colega para escapulir do PPS.
Loiola tem uma relação complicada com a presidente do partido, Mariana Alcântara. Que piorou quando o vereador, sem autorização da legenda, decidiu apoiar a eleição do administrador Augusto Castro (PSDB), por sinal irmão da vereadora, para deputado estadual.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Alegando ter sido vítima de discriminação dentro de sua legenda – o Partido da República – a vereadora itabunense Rose Castro conseguiu autorização do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para desfiliar-se sem correr o risco da imputação de infidelidade partidária.
Os advogados da vereadora informaram ao TRE que ela, mesmo após oficializar pedido de registro de sua candidatura, em 7 de maio de 2008, teve o nome excluído da ata da convenção do PR, realizada em 30 de junho do mesmo ano. Na época, Rose Castro enfrentou forte oposição dos irmãos Roberto e Saulo Pontes de Souza, caciques do partido em Itabuna.
A vereadora já foi cortejada por outros partidos, a exemplo do PSDB, no qual está filiado o seu irmão Augusto Castro, candidato a deputado estadual. Mas ela ainda não confirmou se será mais uma tucana na Câmara de Itabuna, fazendo companhia a Solon Pinheiro.

Tempo de leitura: < 1 minuto

A pesquisa Vox Populi/Band/IG também aferiu as intenções de votos do eleitor baiano na corrida ao Senado Federal. Pelo instituto, o senador César Borges (PR) seria reeleito, com 29% dos votos.
O Vox Populi, no entanto, difere do Datafolha ao apontar Walter Pinheiro à frente de Lídice da Mata, apesar da situação de empate técnico. Pinheiro (PT) pontua com 22%. Lídice (PSB) aparece com 18%. A pesquisa tem margem de erro de 3,5 pontos percentuais.
O levantamento ainda traz os democratas José Ronaldo e José Carlos Aleluia com 9% e 5%, respectivamente. O vice-prefeito de Salvador, Edvaldo Brito (PTB), surge com 3%. França (PSOL) e Edson Duarte (PV) têm 2% cada um, mesmo percentual de Carlos Sampaio (PCB). Zilmar (PSOL) aparece com 1%.
Ainda segundo o Vox Populi, César Borges (PR) lidera com 23% quando considerada apenas a primeira menção do entrevistado. Pinheiro surge com 14% e Lídice, 9%.

Tempo de leitura: 2 minutos

Roberto admite compor com governo (Foto Duda Lessa).

O vereador Roberto de Souza admitiu, pela primeira vez, que o PR pode fazer parte da base do governo do Capitão Azevedo. As conversações evoluíram no plano municipal e estadual, mas há uma condicionante: o PR adere ao governo se o prefeito Capitão Azevedo sair do DEM.
Azevedo também teria de, segundo Roberto, mexer no seu secretariado para ganhar o apoio dos republicanos. E a mexida não teria tão somente o propósito de abrir espaço para dar guarida ao PR. Sem citar quais seriam as áreas frágeis do governo, o dirigente dos republicanos em Itabuna diz que é preciso “mover algumas peças” no time de “Zevedim”.
Apesar de ver com bons olhos a composição, Roberto descarta assumir alguma secretaria no governo municipal. “Quero e vou manter a minha postura em relação ao governo”, disse.
O primeiro-secretário da Câmara assumirá a presidência do Legislativo em janeiro de 2011. Segundo ele, não seria esse o motivo que o faz descartar uma secretaria. Roberto diz possuir uma ótima relação pessoal com Azevedo, mas a sua posição em relação ao governo sempre foi de independência.
No plano político, Roberto e Azevedo estiveram em lados opostos e trocaram farpas publicamente, por conta da fiscalização que o vereador faz nas ações do governo. O prefeito chegou a dizer que tinha vereador que lhe fazia oposição porque está de olho em sua cadeira no centro administrativo Firmino Alves.

Tempo de leitura: < 1 minuto

A debandada eleitoral no PR baiano parece ter começado. A prefeitura de Barreiras, Jusmari Oliveira, cumpriu o que havia prometido (relembre aqui) e não marchará com a campanha do ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), com quem o partido da gestora está coligado.
Ela vai apoiar a campanha à reeleição do governador Jaques Wagner (PT). “Fui a primeira política processada por infidelidade partidária, mas eu digo que a chapa completa [de Wagner] deve ser eleita”, disse.
A prefeita justificou o seu apoio ao Galego. Disse que ele levou para a cidade indústrias, ajudou a gerar empregos e investiu R$ 58 milhões em saneamento básico e abriu 12 postos de saúde.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Fonte ligadíssima à deputada Ângela Sousa avisa, com relação a um possível apoio da parlamentar ao peemedebista Geddel Vieira Lima,  que as aparências nesse quesito podem enganar. Em outras palavras, a presença dela na grande convenção liderada pelo PMDB, hoje, estaria longe de traduzir adesão à candidatura de Geddel a governador.

Ângela estaria, segundo esta fonte, totalmente disposta a cerrar fileiras com Jaques Wagner (PT), embora não possa assumir publicamente tal condição em virtude da aliança formalizada entre PSC e PMDB. Questão de fidelidade partidária, a mesma que obrigou a deputada a recentemente ausentar-se de importante votação para o governo.

Prossegue a fonte na mesma linha de argumentação, observando que tão a contragosto se encontrava a deputada na convenção peemedebista, que sequer ocupou lugar no palanque do evento. Preferiu ficar embaixo, discretamente. E a faixa estendida no local? “Era apenas uma saudação aos convencionais, sem nenhuma declaração de apoio a Geddel”, explica o angelista.

Outros igualmente obrigados pela “liturgia” partidária, mas tanto quanto de má-vontade na convenção, eram os deputados estaduais Gilberto Brito e Pedro Alcântara (ambos do PR), Adolfo Menezes (PRP) e Maria Luiza Laudano (PTdoB). Todos esses partidos estão com Geddel, mas seus digníssimos filiados fazem calundu para ficar com Wagner.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O senador César Borges ensaiou aproximação com o deputado federal Geraldo Simões, após o fatídico “água e óleo não se misturam”  de 2000, quando o xerife do PR baiano era governador.

A aproximação ‘fez água’ com o fracasso das negociações que levariam Borges para a chapa de Jaques Wagner. E o senador nem esperou o prato esfriar. Reuniu-se com o vereador Roberto de Souza e o convidou para que seja candidato a deputado federal, como informa o blog Políticos do Sul da Bahia.

E sabe qual a estratégia? Fazer com que Roberto tire votos da candidatura de Geraldo. O senador do PR está convicto de que a vaia recebida por ele na visita de Lula a Itabuna foi orquestrada pelo grupo geraldistas.

Política, definitivamente, não é para amadores…