Mulher foi uma das vítimas dos disparos de criminosos
Mulher foi atingida em ataque de facção criminosa em Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

Uma pessoa morreu e outras duas ficaram feridas durante um ataque de integrantes de uma facção criminosa. A emboscada ocorreu por volta das 17h, na ponte Governador Cesar Borges, que dá acesso a bairros como São Caetano, Banco Raso e Jardim Vitória. Os três passageiros embarcaram no táxi nas imediações do Cemitério Campo Santo, no bairro Pontalzinho, e tinham como destinos os bairros São Caetano e Vila Anália. Eles foram atacados quase no final da ponte, sentido São Caetano.

Além do taxista, os disparos atingiram Normandia Simplícia dos Santos, de 40 anos, que conseguiu pular do veículo e se jogar na pista de ciclista, e Cleiton Manuel Novaes da Silva, que morreu no local. O taxista foi atingido de raspão no pescoço. O motorista e Normandia Simplícia foram  levados para o Hospital de Base, e passam bem.

Disparos atingiram táxi e três dos seus ocupantes

Um terceiro passageiro do veículo, amigo de Normandia Simplícia, conseguiu sair ileso. A polícia ainda não tem o nome dele. Normandia Simplícia e, pelo menos, outras sete pessoas solicitaram dois táxis. O que ela estava foi atacado.

De acordo com a Polícia Militar, os passageiros do táxi retornavam do sepultamento de dois suspeitos que morreram em confronto com PMs na noite de quarta-feira (5), no bairro São Caetano. Os homens mortos ontem estavam em um veículo, que saiu em alta velocidade da localidade conhecida como Gogó da Ema. Os policiais iniciaram uma perseguição e houve troca de tiros já na Avenida Manoel Chaves (Kennedy). Os suspeitos foram baleados e morreram.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Duas pessoas foram baleadas na Avenida J. S. Pinheiro, em Itabuna, na tarde desta segunda-feira (27). De acordo com as primeiras informações, os  suspeitos são menores, que  haviam acabado de praticar assalto e estavam fugindo numa motocicleta, mas teriam sido perseguidos por um homem num carro de placa não identificada. Eles foram alcançado entre a agência central do Correios e uma empresa de telemarketing. Acabaram atingidos com vários disparos.

Curiosos se aglomeram em volta do corpo de menor morto

Um dos baleados foi identificado como Gabriel Nunes Silva, de 17 anos, que seria morador do bairro São Lourenço. Ele ainda teria tentado sacar a arma, mas acabou caindo da moto, que é roubada. A arma foi encontrada ao lado do corpo de Gabriel. O outro suspeito ainda tentou fugir com a motocicleta, mas acabou preso. Baleado, ele foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para Hospital de Base de Itabuna. Já o corpo de Gabriel foi removido para o Departamento de Polícia Técnica.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Bandidos arrombaram uma franquia da operadora de telefonia Tim, no Centro de Itabuna. O crime foi cometido na madrugada desta terça-feira (14) por, pelo menos, cinco assaltantes, conforme informações preliminares. Os bandidos teriam chegado em uma picape VW Saveiro, arrombado a porta da loja pela Rua Adolfo Maron e levado acessórios de telefonia e dezenas de celulares.

A loja fica localizada na esquina do cruzamento da Adolfo Maron com a Avenida do Cinquentenário. Até o momento, não há informações da polícia se algum dos autores do crime foi preso. Pelas características, os bandidos teriam repetido o ocorrido no ano passado, quando uma quadrilha arrombava as portas das lojas usando veículos em marcha à ré.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um policial militar e um suspeito de tráfico de drogas foram assassinados, na tarde desta sexta-feira (10), nas imediações do bairro Santa Clara, em Itabuna. De acordo com as primeiras informações, as vítimas se deslocavam da fazenda para o centro de Itabuna quando foram atacadas por homens armados.

Pelo menos outros três homens conseguiram fugir do ataque, mas o policial militar Gilvan Souza e outro homem, identificado como Paulo Filho, foram atingidos e morreram no local. Paulo Filho foi preso no ano passado acusado de participação em um assalto a um lava jato. Ele também era suspeito de tráfico de drogas.

No local onde os homens foram executados, os policiais encontraram um veículo Saveiro, placa PKO-9154, com várias perfurações.Foram encontradas ainda várias cápsulas e uma arma que podem ter sido usadas pelas vítimas na troca de tiros com os homens que atacaram.

Carro também foi alvo de ataque dos rivais no Santa Clara, em Itabuna

O policial Gilvan era morador do bairro São Pedro, em Itabuna, mas estaria lotado em Ubaitaba. O ataque ocorreu na estrada que liga o bairro Santa Clara e a localidade conhecida como Ribeirão dos Cachorros.Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

A Polícia Federal (PF) deflagrou na manhã desta quarta-feira (23) a 67ª fase da Operação Lava Jato, denominada Tango & Cash. Para investigar um grupo de empresas que se juntaram em uma espécie de “clube” para vencer fraudulentamente licitações de grandes contratos com a Petrobras. A partir de 2006, segundo a PF, o clube chegou a ser composto por 16 grupos empresariais.

“A fim de dar aparência de licitude ao pagamento de propinas, o grupo empresarial investigado repassava valores via empresas offshore a ex-diretores e ex-gerentes da Petrobras, mediante a celebração de contratos fraudulentos de assessoria/consultoria. Um dos ex-diretores da estatal recebeu, entre 2008 e 2013, US$ 9,4 milhões, percebendo parcelas de propina mesmo depois de ter deixado o quadro da empresa em 2012”, diz a PF.

Policiais Federais cumprem 23 mandados de busca e apreensão nos estados de São Paulo, do Rio de Janeiro e Paraná. A Justiça determinou também o bloqueio de ativos financeiros dos investigados no valor aproximado de R$ 1.7 bilhão.

De acordo com as investigações, suspeita-se de que propinas pagas em obras pela empresa envolvida nessa fase seria de 2% do valor de cada contrato, o que pode ter gerado o pagamento de R$ 60 milhões em propina.

Os mandados judiciais foram expedidos pela 13ª. Vara Federal de Curitiba e objetivam a apuração de crimes de corrupção ativa e passiva, além de lavagem de capitais.

Segundo a PF, o nome da operação, Tango & Cash, faz referência aos valores de pagamento das propinas e ao fato de que a empresa envolvida na investigação pertencer a um grupo ítalo-argentino.