Tempo de leitura: < 1 minuto

.Jorge Farias é diretor de Trânsito da prefeitura de Ilhéus. Ontem, foi detido pela Polícia Militar. Circulava pela avenida Itabuna com um carro sem placa. O “batalhão” de aspones da prefeitura foi acionado para tentar livrar Jorge Farias do xilindró, tendo à frente o super-secretário Carlos Freitas, de Serviços Público e de Transportes e Trânsito.

A discussão entre policiais e assessores da prefeitura durou quatro horas, segundo narra o Blog do Gusmão. Até um procurador jurídico do município foi acionado para livrar Jorge Farias. O diretor de Trânsito acabou autuado. Mas nada de guinchar o possante sem placa.

Tempo de leitura: 2 minutos

São tensos os últimos dias no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, por conta de vários casos de negligência médica. A preocupação da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna tende a aumentar. Pelo menos uma das famílias de pacientes vítimas do desprezo médico decidiu acionar, judicialmente, a Santa Casa.

A jovem Carolaine Magalhães Oliveira, de 17 anos, morreu com suspeita de gripe H1N1, no sábado da Semana Santa (relembre aqui). O resultado do exame para averiguar se foi esta doença que provocou o óbito da jovem deve chegar às mãos da família de Carolaine nesta segunda-feira, 12.

A vítima sofreu muito em busca de atendimento digno, que lhe foi negado por três vezes – apesar da mãe, Suzete, observar que o estado da jovem não era típico de uma gripe comum, simples, como afirmavam os “médicos”. Nas idas ao Novaes, médicos recomendavam um ou outro tipo de medicamento e mandavam a vítima para casa.

A jovem estava no sétimo mês de gestação e buscou o Hospital Manoel Novaes por quatro vezes, apresentando sintomas típicos da H1N1 ou de pneumonia, desde falta de ar, febre alta e vômito. A dor da família e da paciente aumentava. Um quarto médico reconheceu o quadro grave e recomendou atendimento no Hospital Calixto Midlej Filho. Lá, a mãe teve dificuldades para que a filha fosse atendida porque “não tinha convênio”.

Foram dias de dor por conta de três médicos que, a julgar pelo caso narrado, pouco têm de humanos. Carolaine viveu por mais um, dois dias. Uma cesariana permitiu que o bebê fosse retirado com vida. A família também teve que lidar com médicos e enfermeiros despreparados para caso de paciente com H1N1.

A essa história de negligência, some ainda o caso de Naila de Oliveira, um bebê de sete meses de idade que também foi vítima do despreparo (ou negligência) de médicos do mesmo hospital (relembre o caso).

Tempo de leitura: 3 minutos

César Borges "casa" com Geddel.

O governador Jaques Wagner tentou colocar panos quentes, mas não era de brincadeira que o senador César Borges (PR) entabulava conversas com o deputado federal Geddel Viera Lima (PMDB), pré-candidato ao governo do estado.

Neste domingo (11) ocorreu o que as vacilações petistas tornaram inevitável: César fechou com Geddel, mediante a garantia de que terá uma chapa que agrade aos seus candidatos a deputado federal e a estadual.

A notícia pegou o PT com as “calças na mão” e promove uma reviravolta nas articulações eleitorais na Bahia. Ficou estabelecido que o PR, assim como o PMDB, terá dois palanques no Estado, e o PT precisará reorganizar suas estratégias, encontrando outro candidato para a vaga que resta na majoritária.

O nome mais cotado é o do deputado federal Walter Pinheiro. A decisão de Borges foi anunciada em nota pública encaminhada aos veículos no meio da tarde. Confira o teor da nota clicando no “leia mais”, logo abaixo.

Leia Mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

Agulhão F. acha que a briga na Emasa, em que uma funcionária jogou uma lata de tinta na cabeça de um manifestante (reveja), não vai dar em nada. “A cabeça dos dois não comporta danos apreciáveis”, avalia, com otimismo, o trovador do Pimenta:

A diferença é bem pouca,
deixando a briga empatada:
a cabeça dela é oca,
a dele é oca… e “pintada”!…

Tempo de leitura: < 1 minuto
Médicos do Samu prometem cruzar os braços (Foto Clodoaldo Ribeiro).

Os médicos do Samu 192 de Ilhéus podem entrar em greve, por tempo indeterminado, a partir da próxima quinta-feira, dia 15. Na pauta, os profissionais reclamam salário de R$ 4,5 mil, pagamento de insalubridade, férias e seguridade social.

Os médicos do Samu ilheense recebem salário de R$ 3 mil bruto. O serviço médico de urgência foi implantado em Ilhéus em 2005 e os profissionais que vestem branco nunca tiveram reajuste.

As perdas do período estariam na casa dos 70%, de acordo com o Sindicato dos Médicos. Uma reunião está prevista para a próxima terça-feira, 13, às 18h, com o secretário municipal de Saúde, Antônio Rabat. O encontro é decisivo.

A categoria, porém, quer a assinatura do prefeito Newton Lima em qualquer acordo feito a partir da reunião da próxima terça, conforme ressalta o médico Teobaldo Magalhães. Mas Newton viaja no mesmo dia para Veneza, Itália.

O cuidado é para que não se repita em Ilhéus o ocorrido em Itabuna, onde os médicos do Samu, que recebem um dos piores salários do país, firmaram acordo com o secretário Antônio Vieira e nada foi cumprido, segundo Teobaldo. A questão foi parar na Justiça.

Tempo de leitura: 4 minutos

Leandro Afonso | www.ohomemsemnome.blogspot.com

Um casal, interpretado pelos mais comediantes que atores Steve Carell e Tina Fey, quer uma noite diferente, e consegue uma bem ao estilo “sessão da tarde” – para não entrar em spoilers já mostrados pelo trailer, “cheia de aventuras de tirar o fôlego”. Essa é a premissa de Uma Noite Fora de Série (Date Night – EUA, 2010), de Shawn Levy, filme cujo recheio traz encadeamentos tão absurdos que criam expectativa e ambiente curiosos – embora não vá muito além disso.

Por mais que o assunto aqui seja um casal, e não um indivíduo a perambular à noite por Nova Iorque, essa sinopse (e o que carrega o filme) leva à inevitável lembrança de Depois de Horas (1985), de Martin Scorsese. Não se trata, obviamente, de pedir a Levy um filme tão autoral quanto aquele – ainda que um dos menos inspirados de Scorsese. Mas o que mais incomoda aqui é o fato de ele (que soa como o maior responsável pelo que existe de menos brilhante ali) não conseguir ir além de um irritante grifo televisivo em um filme-novela com potencial como este.

A direção aqui, ao invés de suavizar as mudanças de atmosfera (o que, me parece, seria mais interessante), potencializa o efeito bipolar do roteiro. É impressionante como são incluídas sequências que vão da tristeza a mais completa euforia – sempre frisados. Sobram boas intenções para se fazer uma maluquice híbrida de gêneros, mas falta delicadeza para trabalhar com elementos que se mostram a princípio desarmônicos não só em um único filme, mas às vezes em uma única cena.

É instalada então uma crise de identidade. Uma Noite Fora de Série é uma comédia conservadora à base de estrelas, rostos e corpos atraentes e carismáticos, mas todo blockbuster da mesma família o é. Com isso, o que mais salta aos olhos é o potencial nunca explorado, mas sim geralmente atropelado – às vezes literalmente. Dos personagens ao resultado, presenciamos uma confusa correria sem fim que parece mais uma pressa gratuita (que resulta em mais se$$ões por dia) que o ritmo do filme de fato.

Uma Noite Fora de Série não funciona tão bem como o que se espera de uma comédia comandada por Levy, Carell e Fey (isto é, pouco além do puro riso), e chega próximo de ser um ótimo passatempo – uma das sessões mais rápidas nos últimos tempos. Mas seu caráter domesticamente tresloucado não nos prende tanto pela atenção e pela criatividade de fato, embora elas estejam presentes ali.

A impressão maior é a de um roteirista que, ao invés de fazer um bom roteiro que falasse por si só, preferiu dizer “olha como posso escrever uma trama cheia de artimanhas”. A tentativa de ser diferente soou maior que o talento – e nem Levy, Carell e Fey conseguiram ir além disso.

Visto, em cabine de imprensa, no Multiplex Iguatemi – abril de 2010.

Uma Noite Fora de Série (Date Night – EUA, 2010)

Direção: Shawn Levy

Elenco: Steve Carell, Tina Fey, Mark Wahlberg, James Franco, Mila Kunis, Ray Liotta

Duração: 88 minutos

Projeção: 2.35:1

8mm

Chuva sem água. Graças ao fantástico sistema viário de Salvador (de ônibus, gastei 35 minutos de casa ao Iguatemi – o mesmo que gastaria a pé), cheguei à cabine de Caso 39 (Case 39 – EUA, 2009), de Christian Alvart, com dez minutos de atraso, o que não me deixa falar do filme. E não, o pior é que, na quarta-feira (7), não havia caído uma gota de água em Salvador – engarrafamento era só pra agradar mesmo.

BBB da morte. Baseado em livro fenômeno japonês, a premissa de Batalha Real (2000), de Kinji Fukasaku, é fantástica. Em mundo apocalíptico, o país sofre com desemprego e violência juvenil, e 41 alunos (maioria conhecidos entre si) são enviados a uma ilha para disputar um jogo cujo objetivo é simples e irreversível: depois de três dias, entre os 41 colegas, ser o único sobrevivente.

Batalha… é uma espécie de reality show militar, um tipo de BBB da morte. Cada “eliminação”, e o que leva cada a um matar (ou morrer), é geralmente bem marcante, mostrando do que o ser humano é capaz quando acuado e atordoado – com o filme indo (mesmo sem nunca parecer colocar a política à frente) de um manifesto direitista a um absurdo otimista (didático e irritante).

Por outro lado, a trilha soa presente em demasia, e exceção feita aos momentos informativos (e agonizantes), que nos ajudam a contabilizar as mortes, os letreiros parecem redundantes; assim como os diálogos, em sua maioria uma coleção de lugares comuns – o que contrasta ainda quando pensamos em raros momentos de pura inspiração. Mesmo assim, ainda que outro porém sejam os dez minutos finais, Batalha Real é qualquer coisa menos ordinário. E já precisa ser revisto.

Filmes da semana

1. Batalha Real (2000), de Kinji Fukasaku (DVDRip) (***)

2. Os Viciados (1971), de Jerry Schatzberg (DVDRip) (**1/2)

3. Boleiros 2: Vencedores e Vencidos (2006), de Ugo Giorgetti (DVDRip) (***)

4. O Fantástico Sr. Raposo (2009), de Wes Anderson (Cinemark) (**1/2)

5. Crimes e Pecados (1989), de Woody Allen (DVDRip) (***)

6. Beijo na Boca, Não (2003), de Alain Resnais (DVDRip) (**1/2)

7. Caso 39 (2009), de Christian Alvart (Multiplex Iguatemi – Cabine de imprensa) (**)

8. Uma Noite Fora de Série (2010), de Shwan Levy (Multiplex Iguatemi – Cabine de Imprensa) (**1/2)

9. Clube da Lua (2004), de Juan José Campanella (DVDRip) (**1/2)

10. Permanent Vacation (1980), de Jim Jarmusch (DVDRip) (**1/2)

______________

Leandro Afonso é comunicólogo, blogueiro e diretor do documentário “Do goleiro ao ponta esquerda”.

Tempo de leitura: < 1 minuto

 

A prefeitura de Itabuna removeu 5 mil pneus do parque de exposições Antônio Setenta para uma área verde, na “Volta da Cobra”. O material foi recolhido nos mutirões da dengue realizados em fevereiro e março em bairros considerados campeões de infestação.

O parque de exposições foi utilizado como depósito. Como houve a visita do presidente Lula, o secretário Antônio Vieira e o coordenador da dengue, Sandovaldo Menezes, mandaram recolher os pneus velhos e os jogar na Volta da Cobra, próximo ao Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães.

Além de riscos de proliferação do mosquito da dengue (pelo grande acúmulo de água), ainda há a agressão ao meio ambiente. E o que diz o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Antônio Marcelino? E o prefeito Capitão Azevedo?

 

Tempo de leitura: 2 minutos

O advogado Andirlei Nascimento, presidente da subseção da OAB de Itabuna, acaba de entrar em contato com o Pimenta, informando sobre uma vitória histórica que pode estar sendo conquistada pelo judiciário local.

Após a “novela” em torno da doação de uma área à margem da Avenida Princesa Isabel, no bairro Banco Raso, para a construção da nova sede do Fórum, finalmente surge uma esperança de solução.

Como se sabe, o Tribunal de Justiça exigia que a área destinada à construção do fórum estivesse livre de qualquer impedimento, o que não era o caso do terreno da Princesa Isabel. Este é objeto de litígio entre a Prefeitura e a fámília Kaufmann, o que acabou por inviabilizar a execução do projeto.

Buscando um outro caminho, Andirlei Nascimento manteve contato recentemente com o superintendente regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Saulo Pontes de Souza. O objetivo: conseguir a doação de uma área que o órgão federal tem próximo à Prefeitura, ao lado da atual sede da Justiça do Trabalho.

As conversas avançaram e Nascimento convidou juízes da comarca local para uma reunião neste final de semana com outros membros da diretoria da OAB e o próprio Saulo Pontes.  No encontro, foi assinado protocolo de intenção para que o terreno de 8 mil metros quadrados seja transferido para o Tribunal de Justiça.

REUNIÃO NO TJB

“Todos consideraram a proposta muito boa e eu quero aqui ressaltar as qualidades do superintendente do DNIT, que é um grande itabunense”, elogia o presidente da OAB. Saulo Pontes se comprometeu a cuidar de todos os trâmites legais para a doação, que fica a depender agora exclusivamente do aceite do Tribunal de Justiça.

O presidente da OAB afirma que até no máximo o dia 20 deste mês pretende se reunir com a desembargadora Telma Brito, presidente do tribunal, para tratar do assunto. Nascimento ressalta que a construção do novo fórum irá mudar a história do judiciário local. “Poderemos ampliar o nosso número de juízes de 11 para 22, cumprindo o que determina a lei de organização judiciária”, ressalta.

A situação do Fórum Ruy Barbosa é caótica. Faltam espaços para os serventuários e juízes, comprometendo o próprio atendimento aos cidadãos.

Atualmente, por exemplo, a Vara da Infância e da Adolescência, além de alguns cartórios, funcionam em um imóvel alugado, ao custo de R$ 180 mil por ano. Apesar de cara, a estrutura é considerada imprópria, sendo alvo de muitas queixas tanto de serventuários como dos cidadãos que recorrem aos serviços ali prestados.

Tempo de leitura: 2 minutos
Val Cabral foi alvejado por um balde de tinta durante protesto (foto Alex de Souza)

Dizem que a vingança é um prato melhor apreciado quando se come frio. E é desse entendimento que está sendo vítima a funcionária da Emasa, Fabiana Simões.

Fabiana sempre foi alvo da língua afiada do radialista Val Cabral, que criticava sua nomeação para cargo de confiança na Emasa. Segundo Cabral, Fabiana seria militante de esquerda, seguidora e parente (olho no sobrenome!) do deputado federal Geraldo Simões (PT).

A verdade é que a moça fez realmente campanha para a petista Juçara Feitosa nas eleições de 2008, mas não tem a mais remota relação de parentesco com GS. O sobrenome é pura coincidência.

Fabiana esperou o dia de ir à forra. No mês de janeiro, Val Cabral fazia protesto em frente à Emasa, quando a funcionária aproximou-se sorrateiramente e atirou um balde de tinta  no radialista (relembre aqui). Foi um sururu que acabou na delegacia.

Ocorre que a habilidosa atiradora de tinta ocupa seu cargo na Emasa por indicação do Partido Verde, do qual é presidente o vereador Gerson Nascimento. Que reza pela cartilha de Val Cabral, também membro do partido.

Para atender o correligionário pintado, Nascimento mandou avisar ao prefeito Azevedo que tem outro nome para a vaga de Fabiana Simões. Ou seja, a mulher está com a cabeça a prêmio.

Segundo informações, dentro do governo a “pintura” promovida por Fabiana Simões foi vista com obra de arte e há forte resistência para que o pedido do vereador seja atendido. É esperar para ver no que dá.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O uso das chamadas “pulseiras do sexo” está proibido nas escolas da rede estadual de ensino da Bahia. A vedação foi determinada pela Superintendência de Acompanhamento e Avaliação Educacional, que teme a exposição das adolescentes.

As pulseiras coloridas indicam, a depender da cor, atos que vão de abraços a relações sexuais. Neste último caso, a pulseira indicativa é a de cor preta.

Há menos de quinze dias, uma estudante de Londrina-PR foi estuprada por quatro rapazes (três menores e um de 18 anos). O atrativo para o crime teria sido o uso das tais pulseiras do sexo.

No caso da rede estadual de ensino, estão valendo as seguintes regras: a aluna que for flagrada usando as pulseiras será convencida a entregá-las; caso ela se recuse, os pais serão informados e convidados a comparecer no dia seguinte ao estabelecimento de ensino.

Se ainda assim não houver jeito, a aluna terá o seu acesso à escola proibido.