Retorno do serviço depende da contratação de uma concessionária
Tempo de leitura: < 1 minuto

Entidades representativas do comércio de Itabuna reforçaram, nesta sexta-feira (11), a reivindicação para que o Centro da cidade volte a dispor de estacionamento rotativo, a chamada zona azul, desativada há dois anos.

“Só aumenta o número de veículos e o número de vagas permanece o mesmo. Então, precisa fazer com que esse estacionamento seja rotativo e só a zona azul pode disciplinar isso”, afirmou o presidente do Sindicato do Comércio Atacadista e Varejista (Sindicom), José Adauto.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Itabuna (ACI), Mauro Ribeiro, engrossou o coro. Segundo ele, além da população da própria cidade, moradores de municípios vizinhos trabalham e são consumidores de produtos e serviços de Itabuna, o que aumenta a demanda por vagas rotativas na região central.

“O Centro da cidade não comporta mais a quantidade de carros que existe atualmente. Nesse sentido, há uma necessidade urgente da Prefeitura de Itabuna definir a empresa que vai operar o estacionamento rotativo”, concluiu Mauro.

Distribuição do imunizante para municípios será na próxima semana
Tempo de leitura: < 1 minuto

O primeiro lote da vacina da Pfizer contra Covid-19 para crianças de seis meses a três anos chegou ontem a Salvador. A remessa de 70 mil doses será distribuída para os 417 municípios da Bahia, a partir da próxima quarta-feira (16), segundo a Secretaria da Saúde do Estado (Sesab).

Desde o final do mês passado, a Sesab substituiu os boletins epidemiológicos diários pelos semanais. No período de 30 de outubro a 5 de novembro, o estado registrou 1.019 casos novos de Covid-19 e oito mortes provocadas pela doença.

O aparecimento da subvariante da Ômicron, chamada de BQ.1, ligou o sinal de alerta das autoridades sanitárias. A nova variante do coronavírus já foi identificada em 65 países, inclusive o Brasil. No Amazonas, que registra alta de casos, a variante que predomina é a BA.5.3.1.

O crescimento do número de infecções levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a reafirmar a importância dos dois ciclos de reforço da imunização contra a Covid-19, ou seja, com o uso de quatro doses.

Colunista dá dicas para conservar bomba de combustível || Imagem Ale
Tempo de leitura: 2 minutos
Ícaro Mota é consultor automotivo

Quando a palavra bomba é ligada à palavra carro, gera certo receio em algumas pessoas. Mas essa bomba a qual me refiro é totalmente do bem. Vou descrever de forma simples e clara (assim espero)!

Pensaremos agora numa boca, num prato de comida e num braço forte segurando um garfo ou colher. A escolha é sua, para que eu não “fale” no imperativo!

É sabido que para o perfeito funcionamento do corpo humano, nós precisamos nos alimentar bem (de forma saudável) e que a alimentação seja equivalente ao gasto calórico. Ou seja, sem excesso ou falta.

Para que o motor do carro funcione corretamente, é preciso que ele seja “alimentado” de forma correta. Então, voltando ao assunto citado, faça de conta que a bomba de combustível é um braço forte segurando o garfo ou colher que você escolheu. Ela é apenas um “mecanismo” responsável por trazer o alimento do prato para a boca. O prato é equivalente ao tanque de combustível e a boca seria a câmara de combustão (nessa nossa linha de raciocínio).

Vamos lá! Se a bomba de combustível estiver com a pressão muito alta (medida utilizada quando se fala em bomba), o excesso de combustível ocasionará a queima “crua” ou até mesmo um calço hidráulico. E, se a bomba estiver com a pressão baixa, ele não alimentará o suficiente. E, pela falta de combustível chegando ao motor, dará falhamentos ou até mesmo o motor nem chega a funcionar.

Mas, Ícaro, como saberei se a bomba está funcionando corretamente?

Se o carro não apresenta nenhuma alteração em seu funcionamento, ela estará normal.

Se, por acaso, o carro começar a apresentar falhamentos ou até mesmo o não funcionamento do motor, essa peça pode ser umas das responsáveis. Para diagnosticar, é bem simples, pois existe uma máquina para aferir a pressão.

O que fazer para prolongar a vida útil de uma bomba de combustível?
Usar sempre combustíveis de boa qualidade, não deixar acumular sujeira no fundo do tanque e não ter o hábito de andar com o tanque na reserva. O principal causador de defeito da bomba de combustível é o entupimento pela sujeira.

Ícaro Mota é consultor automotivo e diretor da I´CAR. A coluna é publicada às sextas-feiras.

Clique e confira mais no Instagram.

ACM Neto e Luciano Bivar acenam para Lula, diz jornalista
Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário-geral do União Brasil, ACM Neto, deu sinal verde para uma composição com o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), conforme o colunista Guilherme Amado, do portal Metrópoles. A disposição para a conversa tem o aval do presidente do UB, Luciano Bivar.

A adesão ao governo teria como contrapartida indispensável o apoio de Lula a uma candidatura do UB à presidência da Câmara dos Deputados, contra a tentativa de reeleição do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL).

Na última quarta-feira (9), Lira se reuniu com Lula em Brasília, onde o petista também esteve com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). Após as reuniões, Lula reafirmou que não vai se intrometer nas disputas internas das casas legislativas.

Glória Feitosa e José Raimundo visitam imóveis sondados para obra
Tempo de leitura: < 1 minuto

Itabuna está no mapa de expansão do Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) no interior baiano. A Federação do Comércio, Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio), responsável pelo Senac no estado, estuda o melhor local para a construção da unidade itabunense. Segundo a Prefeitura, três terrenos no Jardim Vitória estão no radar.

A gerente de Comunicação e Marketing do Senac na Bahia, Glória Feitosa, visitou as alternativas locacionais, acompanhada pelo secretário de Indústria, Comércio e Renda de Itabuna, José Raimundo Araújo, que representou o prefeito Augusto Castro (PSD).

Glória explicou que a construção da unidade em Itabuna integra o projeto de gestão do novo presidente da Fecomércio, Kelson Gonçalves Fernandes, que abrange o período 2022-2026. A condição de polo regional de comércio e serviços pesou a favor da economia grapiúna. Na cidade, segundo Glória, o raio de influência do Senac alcançará a população do sul da Bahia.

Para José Raimundo, há quatro décadas, Itabuna e região têm demanda reprimida de formação de mão de obra qualificada para os segmentos de comércio e serviços. Ele vê entusiasmo por parte da nova gestão da Fecomércio e assegura o empenho da Prefeitura de Itabuna para assegurar a chegada do Senac. “Estamos firmes nesse projeto”.

Hudson Pantaleão e Maurício Sena representam CVR na Waste Expo Brasil
Tempo de leitura: < 1 minuto

O gerente comercial Maurício Ramos Sena e o encarregado de Operações Hudson Pantaleão representaram a CVR Costa do Cacau na Waste Expo Brasil 2022, realizada de 8 a 10 de novembro, na cidade de São Paulo. No evento, que teve como foco a valorização econômica de resíduos, Maurício e Hudson compartilharam a experiência do primeiro aterro sanitário privado do sul da Bahia, localizado em Ilhéus.

“A participação em eventos desse porte permite a troca de experiências, conhecimento de novas tecnologias e atesta que a CVR mantém um padrão de excelência no armazenamento de resíduos, atuando no mesmo nível de excelência das principais empresas do Brasil no setor”, disse o gerente comercial.

Considerado um dos mais importantes encontros do setor na América Latina, a Waste Expo também incluiu atividades de formação sobre critérios de seleção de área; concepção e diretrizes gerais de projetos; simulação de projeto de aterro sanitário; estabilidade e métodos de operação e monitoramento de aterros e de tratamento de efluentes, entre outros temas.

Antônio Lopes e algumas de suas obras || Fotomontagem Walmir Rosário
Tempo de leitura: 4 minutos

 

Procurou se livrar dele, afinal estava em Paris, o melhor lugar do mundo, depois de Buerarema. Na manhã seguinte, ao dar pela falta do cartão de crédito, percebeu ter sido vítima de um legítimo vigarista parisiense. Fazer o quê?

 

Walmir Rosário 

O prezado e estimado leitor conhece Buerarema desde quando? Se a resposta do distinto for de uns tempos pra cá, passo a ter dó e piedade dele, pois na verdade, pouco ou quase nada viu do seu povo e de sua história. E bote História (com H maiúsculo) nisso, daquelas de cair o queixo, acontecidas desde o tempo que a aconchegante Macuco (seu nome enquanto distrito de Itabuna) reunia os melhores personagens num só local.

Pois fiquem os senhores sabendo que aquele pedacinho de terra cercada de matas e cacaueiros por todos os lados, entrecortados por pequenos riachos e rios caudalosos em busca da praia de Ilhéus têm muito a ser contado. Ponha sua cabeça pra pensar naquele amontoado de gente, vinda de todos os cantos do mundo, e que acabou formando um arruamento, vila e depois cidade, com essa gente mandando neles mesmos.

Estás curioso! Pois não perdes por esperar! Basta sentar com uns cinco livros de autoria do professor, jornalista e escritor Antônio Lopes, um pernambucano que se fez macuquense e bueraremense por obra e graça de sua mais legítima vontade. Pense numa viagem (há quem chame de imersão) voltando no tempo e conhecendo histórias, estórias e causas cometidos pelos seus personagens, inclusive o próprio.

Mas agora vamos nos ater aos dois últimos livros publicados, do contrário vamos perder muito tempo nessa leitura e passar dos “entretantos aos finalmentes”. Em “A Bela Assustada”, uma antologia pessoal, alguns textos inéditos, Antônio Lopes não se conteve e apresenta Manuel Vitorino, Zé Mijão, Mundinho Cangalha, João Baié, Léo Briglia, Dr. Elias, o padre Granja, o pastor Freitas, Manuel Lins, Clarindo Corno Preto, Zeca de Agripino, Vilson Cordier e muitos outros brilhantes personagens.

E o menino trazido de Triunfo, no Pernambuco, pelo seu irmão mais velho, João Lopes, estudou o primário e o ginásio, fez jornalismo estudantil e formou seu caráter em Buerarema. Mais tarde, foi estudar em Ilhéus, trabalhar em Itabuna, até chegar a São Paulo escrevendo para a Última Hora, do lendário Samuel Wainer. Foi seguir o caminho e aportou na Academia de Letras de Ilhéus e Academia de Letras da Bahia.

Não sei se essas incursões mundo afora fixaram na memória do autor os causos vividos em tempos idos. O que sei mesmo é que são contados com simplicidade e o humor daquela gente e daquela época. Quem melhor narraria – a posteriori – um jogo do Brasil Esporte Clube, o BEC, do que o sapateiro Zé Vitorino? Que os senhores saibam o delírio da plateia com seus lances, tornando Galvão Bueno um simples fichinha. E nem tínhamos TV.

A Buerarema dos cines Cabral e Maracanã, à época em que não sofriam a concorrência das redes de televisão e era ponto de fixo para a troca de gibis e o encontro de namorados trocarem juras de amor, enquanto bandidos e mocinhos de digladiavam na tela. Uma boa pedida são os banhos no Poço da Pedra, onde o autor aprendeu a nadar, boiar e distribuir cangapés e quase se afogar.

Da minha lembrança não sai o causo de Agripino Vieira, fazendeiro de 15 mil arrobas de cacau, cliente assíduo do Bar Pingo de Ouro, que deu um drible no médico Dr. Elias, após o conhecido esculápio proibir suas incursões aos bares. Sem qualquer peso na consciência chegou na Farmácia Maria e decretou ao balconista Afonso que lhe desse o um vidro de Biotônico Fontoura, o maior que tivesse na referida botica.

Em A Vida Refletida, Antônio Lopes conta que na sua adolescência quem não tinha habilidade para coisa nenhuma ia para a Marinha. Mas ele quis fazer diferente, por não levar jeito. Não estudou medicina, engenharia ou direito, mas trabalhou em rádio, televisão, assessoria, escritório, deu aulas, vendeu remédios. Profissões essas que lhe garantiram o uísque de cada dia. E as histórias, acrescento eu.

Em Um Tabaréu em Paris (pgs. 101/103), o autor conta que se encontrava na cidade luz quando um cara branco, vestido à classe média, lhe dá um encontrão. Desculpou-se (todo cheio de “pardon”, monsiseur), e continuou puxando conversa. Procurou se livrar dele, afinal estava em Paris, o melhor lugar do mundo, depois de Buerarema. Na manhã seguinte, ao dar pela falta do cartão de crédito, percebeu ter sido vítima de um legítimo vigarista parisiense. Fazer o quê?

Sobre o livro de Lopes, Joaci Góes escreveu: “Antônio Lopes é um autodidata que atingiu elevado patamar como humanista, polindo seu crescimento com as aulas que deu de português, matemática, história e redação, sem falar em suas experiências como animador de comícios e redator de discursos políticos, de festas carnavalescas, comentarista de futebol, vendedor, gestor de recursos humanos, fez tudo isso para sobreviver e ter as condições mínimas de se dedicar à leitura dos grandes autores, na geografia do tempo, experiências que contribuíram para torná-lo um dos mais refinados escritores brasileiros da atualidade”.

E prossegue Joaci…“Provavelmente, se Antônio Lopes tivesse produzido sua surpreendente obra de Paris, Londres, Roma ou New York, não faltasse quem dissesse que só a partir de domicílios tão cosmopolitas seria possível produzir literatura de conteúdo e forma tão marcadamente universais”.

A vida refletida/Antônio Lopes – Ilhéus, Ba: Editus, 2019.

A bela assustada : antologia pessoal + inéditos/ Antônio Lopes. – Itabuna, BA : A5 Editora, 2021.

Walmir Rosário é radialista, jornalista e advogado.

Concurso oferece 2,5 mil vagas em diversas cidades da Bahia
Tempo de leitura: < 1 minuto

As inscrições para o concurso da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros da Bahia, que terminariam hoje (11), foram prorrogadas até a próxima quarta-feira (16). O Governo do Estado visa preencher duas mil vagas na PM e outras quinhentas para bombeiros. A remuneração inicial será de R$ 4.012,11, após o período de formação militar.

A Secretaria de Administração da Bahia (Saeb) alerta aos interessados que a taxa de inscrição, de R$ 90,00, deverá ser paga até as 16h do dia 16 de novembro. As inscrições devem ser feita no site da Fundação Carlos Chagas, responsável pelo certame.

O concurso preencherá vagas para soldado da PM em Salvador e Região Metropolitana, além de Feira de Santana, Alagoinhas, Itaberaba, Ilhéus, Juazeiro, Vitória da Conquista, Texeira de Freitas e Barreiras. As vagas para o Corpo de Bombeiros são na capital, RMS, Itabuna, Porto Seguro, Itaberaba, Paulo Afonso, Santo Antônio de Jesus, Barreiras, Teixeira de Freitas, Alagoinhas e Bom Jesus da Lapa.

REQUISITOS E PROVAS

Ensino Médio completo é um dos pré-requisitos de concorrência, assim como idade entre 18 e 30 anos. O edital do concurso, disponível no site da Fundação responsável, traz a lista completa de condições prévias exigidas aos candidatos.

O concurso público para seleção de candidatos ao Curso de Formação de Soldado da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros será em duas etapas relacionadas (provas objetivas e discursivas). As provas objetivas e discursivas serão realizadas no dia 22 de janeiro de 2023, em sete cidades da Bahia. O prazo de validade do Concurso será de um ano, contado da data da homologação, podendo antes de esgotado, ser prorrogado uma vez, por igual período.

Mercado de trabalho tem média desigual de salários entre brancos e negros || Foto Tânia Rego/ABr
Tempo de leitura: 2 minutos

Estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgado hoje (11) mostra a cor como fator relevante na diferenciação do rendimento mensal médio dos trabalhadores no país em 2021. De acordo com o levantamento, os brancos ganham R$ 3.099 em média. Esse valor é 75,7% maior do que o registrado entre os pretos, que é de R$ 1.764. Também supera em 70,8% a renda média de R$ 1.814 dos trabalhadores pardos.

Mesmo entre pessoas com nível superior completo, persiste uma distância significativa. Nesse grupo, o rendimento médio por hora dos brancos foi cerca de 50% maior que o dos pretos e cerca de 40% superior ao dos pardos. Além disso, embora representem 53,8% dos trabalhadores do país, pretos e pardos ocuparam em 2021 apenas 29,5% dos cargos gerenciais.

Os brancos também têm sido menos afetados pelo desemprego. A taxa de desocupação em 2021 para eles é de 11,3%. Entre a população preta é de 16,5% e para a população parda, de 16,2%.

Os dados revelam ainda diferenças na informalidade: apenas os brancos se situam abaixo do índice nacional de 40,1%. Segundo o IBGE, “a informalidade no mercado de trabalho está associada, muitas vezes, ao trabalho precário e à ausência de proteção social”. Ela envolve trabalhadores que podem enfrentar dificuldades para acesso a direitos básicos, como a aposentadoria e a garantia de remuneração igual ou superior ao salário mínimo.

A proporção de pessoas pobres no país também é bastante distinta no recorte por cor. Entre os brancos, 18,6% estão abaixo da linha da pobreza, isto é, vivem com menos de US$ 5,50 por dia conforme uma das classificações do Banco Mundial. O percentual praticamente dobra entre pretos (34,5%) e pardos (38,4%).

Intitulado Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, o estudo faz um cruzamento de dados extraídos de mais 12 pesquisas do próprio IBGE. Ele está em sua segunda edição. A primeira, divulgada em 2019, foi mais enxuta: indicadores sobre mercado de trabalho e distribuição de rendimento, por exemplo, não integraram o levantamento. De acordo com o IBGE, “as desigualdades raciais são importantes vetores de análise das desigualdades sociais no Brasil, ao revelar no tempo e no espaço a maior vulnerabilidade socioeconômica das populações de cor ou raça preta, parda e indígena”.

MAIS INDICADORES

O estudo traz ainda informações atualizadas sobre patrimônio, educação, violência, representação política e ambiente político dos municípios. De acordo com o IBGE, há um acesso desigual dos diferentes grupos populacionais a bens e serviços básicos necessários ao bem-estar, como saúde, ensino, moradia, trabalho e renda.

Leia Mais