História de amor de Junoca e Allana vira livro
Tempo de leitura: < 1 minuto

Brasiliense radicado em Itabuna, Maurício Campos Júnior, o Junoca, decidiu contar a história de amor que vive ao lado de Allana Magalhães no livro autobiográfico Junoca, o cadeirante fora da cadeira. O lançamento da obra será nesta quinta-feira (12), às 18h, na Praça de Alimentação do Shopping Jequitibá, em Itabuna. O cantor Cristiano Tavares fará participação especial no evento.

Junoca nasceu com paralisia cerebral, o que lhe impõe limitações motoras severas. Locomove-se numa cadeira de rodas e fala com dificuldade. Para se comunicar melhor, recorre à escrita com os pés. É assim que usa as redes sociais, onde dá dicas aos seguidores sobre como se relacionar com pessoas portadoras de deficiências. Batizou o quadro de Fica a Dica do Junoca.

Foi na internet que Maurício e Allana se conheceram. Após dias de conversa, marcaram o primeiro encontro em Brasília, onde moravam à época. Logo entabularam um namoro.

O romance floresceu em meio à resistência das famílias de ambos, o que os motivou a deixar a capital do país para morar em Itabuna. Após três anos de relacionamento, se casaram. Os detalhes e o desenrolar dessa história estão no livro de Junoca, que, mesmo antes do lançamento, já tem cerca de 900 exemplares vendidos.

Centro Cultural Teosópolis abrigará parte da história de Itabuna
Tempo de leitura: 2 minutos

A Associação de Beneficência e Cultura Teosópolis inaugura, nesta sexta-feira (6), às 18h, o Centro Cultural Teosópolis Cacilda Lourenço Silva, que ocupa a antiga Casa Pastoral da Igreja Batista Teosópolis de Itabuna. Situado na Praça dos Eucaliptos, no bairro da  Conceição, o imóvel foi completamente reformado. Agora, é um espaço dedicado às artes e à cultura.

O local abrigará o Centro de Memória Teosópolis, fundado em 2013, e a Escola de Música Sacra de Itabuna (Emusita), com 34 anos de existência. Um dos objetivos do projeto é recuperar a história dos Batistas na região e a vida e obra do pastor Hélio Lourenço da Silva.

Já na recepção, os visitantes são convidados para uma visita guiada ao Centro de Memória ou à sala Brilho Celeste, onde os alunos terão aulas de canto e instrumentos de teclado, cordas e sopro, além de sala exclusiva para o estudo de bateria.

A casa também sediará a Emusita, que conta com dois ambientes compartilhados: o espaço de convivência e um moderno auditório. Para marcar a abertura do Centro, os visitantes poderão conferir a exposição “Toponímia de Itabuna: ruas e avenidas revelam histórias”. O equipamento também terá um espaço multifuncional, o auditório Olga Ribeiro.

PARCERIA

O Centro Cultural funcionará em parceria com a Prefeitura de Itabuna e com a Universidade Estadual de Santa Cruz. “Estará à disposição da comunidade como um lugar de cultura e resgate da cidadania, porque um povo sem história é um povo sem memória, e um povo sem memória é um povo sem identidade”, afirma a professora Janete Ruiz Macedo, do Centro de Documentação e Memória Regional (Cedoc/Uesc).

“Que o Senhor continue nos abençoando e ampliando a nossa visão para que possamos sempre enxergar o ser humano em todas as suas dimensões, oferecendo-lhe Palavra de Vida, alívio e formação cidadã. Parabéns, Teosópolis! Parabéns, Itabuna!”, celebra o pastor Geraldo Meireles, um dos idealizadores do centro.

Confira programação das rodas de conversa sobre o livro
Tempo de leitura: 3 minutos

O projeto Circulação Profundanças – Mulheres em Diálogo celebra os oito anos do circuito editorial colaborativo que, em três antologias, já publicou poemas de 51 escritoras, em sua maioria nordestinas. A programação começa neste mês e segue até agosto, com rodas de conversa e oficinas gratuitas. À frente de cada encontro virtual, as fotógrafas e escritoras que fizeram a terceira edição de Profundanças.

As ações promovidas pelo circuito buscam mitigar a desigualdade de gênero que ainda caracteriza o campo editorial brasileiro. Pesquisa da professora da Universidade de Brasília, Regina Dalcastagnè, publicada no livro Literatura brasileira contemporânea: um território contestado, em 2012, revela que, de 1990 a 2004, 72% dos romances brasileiros publicados pelas maiores editoras brasileiras tiveram autoria de homens.

Para ampliar os espaços de divulgação dos escritos de mulheres, Profundanças também ganha site próprio, www.profundancas.com, onde é possível acessar gratuitamente todas as antologias que compõem o projeto.

MULHER E LITERATURA EM CENA

A circulação promoverá oito momentos em que o público poderá compartilhar vivências e dialogar com as autoras e fotógrafas participantes do livro Profundanças 3. A programação de maio já está definida.

A primeira roda de conversa será no dia 11 de maio, às 19h, no canal www.youtube.com/profundancas. Nela, dialogam as escritoras Yasmin Moraes, Vânia Melo, Isabelly Moreira e a fotógrafa Maria Ruana. O mote do encontro será a resistência de mulheres no campo das artes.

Já a oficina Pelas veredas da poesia do Pajeú, ministrada por Isabelly Moreira, acontece no dia 21 de maio, das 14h às 17h. Nessa atividade o público poderá conhecer a poética de tradição oral secularmente praticada no sertão do Pajeú (Pernambuco), território conhecido como berço imortal da poesia. As vagas são limitadas e a inscrição gratuita pode ser feita no site. Haverá emissão de certificado para quem se inscrever na oficina e na roda de conversa.

ESCREVER ACIMA DE TUDO

Comumente, os poemas e a vontade de fazer literatura não encontram terreno fértil para florescer. Na contramão deste quadro, 24 escritoras da Bahia, Pernambuco e São Paulo nasceram para o mundo da literatura em Profundanças, com suas primeiras publicações.

Para a idealizadora do circuito editorial, Daniela Galdino, tantas conversas com mulheres potentes causaram perturbações. “E o incômodo maior era esse: as gavetas engolindo tantos escritos. A cena se repete em lugares tão díspares – Recife, Itabuna, Feira de Santana, Ilhéus, Garanhuns, Brumado, Salvador. Gaveta: vala comum? Dessa perturbação surgiu a ideia de organizar uma antologia literária”, relembra.

Para a pernambucana Odília Nunes, viver é o que inspira a escrita. “É bonito saber de meus escritos indo além do meu caderno. Minha primeira publicação ser em conjunto, como foi Profundanças, é algo que me alegra bastante”, conta.

Autora de “Na terra quero ficar”, um dos textos da terceira antologia, Odília lembra que, no período de produção do ensaio fotográfico, sofreu grave acidente de carro. O primeiro impulso foi desistir de participar do livro. No entanto, a autora e a fotógrafa Renata Pires deram à situação um significado que ficaria para sempre registrado. “O ensaio foi um ritual de cura que senti de fazer no pós-acidente de carro”, lembra. A escritora raspou os cabelos e representou esse momento na ação performática que resultou no conjunto de fotografias inseridas no livro Profundanças 3. 

Publicada aos 19 anos, Yasmin Morais é a escritora mais jovem a participar de Profundanças. Vencedora do Prêmio Malê de Literatura 2019, sua produção é cada vez mais conhecida fora da Bahia. “Ter sido publicada em Profundanças foi um divisor de águas em minha carreira, em minha vida. Tive a possibilidade de estar em contato com mulheres que possuem uma poética potente, apesar de serem, por vezes, invisibilizadas devido ao contexto em que estamos”.

Fotografada por Andreza Mona, até hoje o momento do ensaio reverbera na escritora. “Me recordo das sensações que foram suscitadas durante o ensaio e do quanto me deixaram inspiradas”, lembra Yasmin. 

Já a escritora baiana Celeste Barros não parou de escrever, mesmo com a hostilidade da patroa que jogou seu caderno de poemas no lixo. Outros detalhes de sua história se assemelham à da escritora Carolina de Jesus: Celeste também precisou interromper a escolaridade ainda na infância e começou a trabalhar desde cedo como doméstica, enfrentando situações de racismo. 

A sua persistência, além de inspirar a criação da antologia, a levou ao mundo das publicações literárias pela primeira vez na edição inaugural de Profundanças, em 2014. Hoje, tem poemas divulgados em outros espaços e recitados em saraus. “Não quero ser invisível. Tenho uma relação de amor com as palavras, pois elas relatam a vida. Quero, cada vez mais, declarar a pessoa que sou por meio dos poemas e, para isso, já estou preparando meu próximo livro”, revela a escritora.

O projeto Circulação Profundanças – Mulheres em Diálogo foi contemplado pelo Edital Setorial de Literatura 2019 e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia e Secretaria de Cultura da Bahia. A produção é da Voo Audiovisual. Mais informações podem ser acessadas nas redes sociais (@profundancas). 

História da emissora é homenageada em sessão solene da Câmara
Tempo de leitura: 3 minutos

Celina Santos

“Nada existe de grandioso sem paixão”. A frase, atribuída ao filósofo Hegel, pode resumir o sentimento exibido no rosto dos profissionais que atuam na Rádio Difusora Sul da Bahia. Considerada líder de audiência em Itabuna e região, a emissora chegou a 62 anos e foi tema de sessão especial na Câmara de Vereadores, na noite de quarta-feira (20).

Proposto pelo primeiro-secretário da Casa, Israel Cardoso (Agir), o ato teve à mesa o também edil Ronaldo Geraldo (PL) e boa parte do quadro de radialistas que soltam a voz naquele veículo. “É importante o reconhecimento a essa rádio que tem uma história na cidade; são 62 anos levando informação, cultura e, principalmente, informação com credibilidade”.

Os dois edis pontuaram sobre a credibilidade e respeito conquistados pelos profissionais ali atuantes. “Essa casa não poderia deixar de homenagear a Rádio Difusora pelo tempo de prestação de serviço a Itabuna; é motivo de orgulho estarmos aqui celebrando essa data tão significativa”, completou o autor.

Da mesma forma, Ronaldão mencionou o compromisso social dos radialistas daquele canal, a exemplo do Orlando Cardoso (um baluarte do rádio itabunense) e Cacá Ferreira, junto aos cerca de 15 profissionais que fazem daquelas “ondas” uma missão diária. Entre os radialistas presentes, o também ex-vereador Nadson Monteiro.

TRABALHO DE TODOS

Dono de uma voz grave e que inspira seriedade, Nadson comentou sobre o quão aberta à tecnologia é a equipe da Difusora. Mencionou o fato de a maioria ter trabalhado de casa (o chamado home office) na pandemia. E mais: citou a união ao assumirem a gestão da rádio, onde cinco profissionais estão à frente.

“Era um plano do proprietário da emissora, o [ex-prefeito] Fernando Gomes: fazer uma cooperativa, passar a rádio pros funcionários, pra equilibrar questões trabalhistas. Vendeu a rádio pra um cidadão e depois houve um problema e ele quis devolver. (…) Mas, graças a Deus, os profissionais que trabalham fazem a sua parte, todo mundo trabalha”, relatou.

Ainda exaltando o clima de união e abraço à tecnologia, o programador Iran Roberto destacou o fato de o aplicativo da Difusora já ter superado a marca de 50 mil downloads. “A segunda colocada chega a cinco mil. Nossa rádio é ouvida em Portugal, nos Estados Unidos…”, destacou.

“HOJE BEM MELHOR”

O radialista Paulo Leonardo, um dos integrantes da cooperativa que mantém a Difusora no ar, explanou sobre a fundação, em 1960, pelo ex-deputado Paulo Nunes. Antes da fala, pediu um minuto de silêncio em reverência a colegas falecidos, como Duda Polirodas, Jota Silva e Luiz Carlos Barroso.

Emocionado, lembrou o fato de ter sido ali o seu primeiro emprego e pontuou sobre a entrega dos profissionais ao abrirem mão das questões pessoais quando estão ao microfone. “Outro dia, fiz uma campanha para doar três botijões. Quando cheguei em casa, vi que o meu botijão tinha acabado. Essa é realidade do radialista, estamos aqui por amor! Quem trabalha certo dá certo e as pessoas confiam”, definiu.

Ele completou lembrando a disponibilidade absoluta do grupo: “Não deixamos em nenhum momento a rádio cair, os parceiros abraçaram a causa e hoje estamos bem melhor. Não tem mais assombração de chover e a transmissão cair; estamos nessa luta pela fidelidade do ouvinte”, enfatizou.

Na mesma linha, o colega Antônio Carlos (outra voz de barítono) reconheceu que é uma missão estar ao microfone, ser voz da sociedade, estar atento às questões que a afligem. Para isso, muitas vezes, abrem mão das questões particulares do cotidiano, a exemplo do alto preço da gasolina – que impacta, sobretudo, o “pão nosso de cada dia”.

COMPANHIA DIÁRIA

Lá também estavam vozes que no passado fizeram parte da equipe. Veemente, Val Cabral expôs sobre o mágico papel do radialista, inclusive no plano emocional das ouvintes. “O rádio é companheiro das pessoas, é acalentador, faz sonhar”, elaborou, citando um episódio em que foi evitado um suicídio com a influência de um comunicador.

Quanto ao radialista Fábio Luciano, hoje assessor da Câmara de Itabuna, falou com emoção sobre o tempo em que prestou serviços “à líder de audiência” e o inegável compromisso dessa turma junto à população regional. “A Difusora está em meu coração; realiza o que muitos não têm coragem”.

O jornalista e policial militar reformado Paulo Neiva, correspondente em Salvador, fez questão de comparecer ao aniversário da emissora. Apaixonado pelo rádio desde criança, vibra com as conquistas daquele veículo em outras esferas. “Botei a Difusora para ter cadeira cativa na Assembleia Legislativa da Bahia; nunca teve isso”, orgulha-se.

Da mesma forma, veio da capital o radialista Adilson Silva, que também já soltou a voz em emissoras de Itabuna. “Estou satisfeitíssimo com o nível dos profissionais que compõem a equipe da Rádio Difusora. A gente torce pra que ela complete 124 anos”, apostou.

Efson Lima, novo membro da ALI, e Wenceslau Júnior
Tempo de leitura: < 1 minuto

Presidente do PCdoB de Itabuna, o ex-vereador Wenceslau Júnior parabenizou o professor, advogado e escritor Efson Lima, que será empossado como novo membro da Academia de Letras de Ilhéus (ALI), em solenidade na sede da instituição, nesta sexta-feira (22), às 19h.

– Ele dará uma importante contribuição para que a Academia cresça ainda mais, pois se trata de um jovem doutor com inteligência imensurável. Tenho certeza que seus conterrâneos, assim como eu, que o admiram e acompanham sua trajetória acadêmica estão orgulhosos. Parabéns!

Efson Lima ocupará a cadeira 40 da ALI. Jovem doutor, Efson é um dos articulistas do centenário jornal A Tarde e do Diário de Ilhéus. O mais novo imortal também é um dos responsáveis por articular a realização do Festival Literário Sul-Bahia (Flisba).

Elisa Oliveira lança coleção de livros filosóficos em que aborda temas da atualidade
Tempo de leitura: < 1 minuto

A educadora ilheense Elisa Oliveira lança coleção de livros infantojuvenil de Filosofia, na próxima terça-feira (26), às 15h, no auditório da Torre Administrativa da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). A coleção é uma publicação da Editus e é composta por oito livros com textos leves, simples e, ao mesmo tempo, profundos.

Os livros são um convite à reflexão de temas como amizade, liberdade, respeito à diversidade, antirracismo, adoção, silêncio, afetos, autoconhecimento e ponto de vista. “São livros para todas as infâncias. A experiência do leitor, o interesse pela temática, a forma como a leitura pode ser mediada, independente de idade, nos permite acessar diferentes níveis de reflexão e profundidade nas discussões”, explica Elisa.

A educadora também é a autora das coleções Aprendiz de Filósofo e Cogito Ergo Sum, ambas livros didáticos para o ensino da Filosofia no ensino Fundamental, área do conhecimento em que a autora se dedica há mais de 20 anos. Suas coleções são adotadas por escolas em Ilhéus, Itabuna, Arraial D’Ajuda (Porto Seguro) e Rio de Janeiro.

Ítalo, Zezo, Daniel e Victor são a Putorkestra!
Tempo de leitura: 3 minutos

O show da Putorkestra! será o primeiro do Festival Ilhéus in Jazz, nesta Sexta-Feira Santa (15), a partir das 19h, na Praça Ruy Barbosa, Centro Histórico de Ilhéus. O PIMENTA conversou com o baterista Victor Santana e o saxofonista Zezo Maltez sobre a origem da banda e a missão de inaugurar o palco do evento, que também animará a noite deste sábado (16).

O grupo nasceu de modo despretensioso, relembra Victor. Numa sexta-feira, em setembro de 2021, ele e Zezo convidaram amigos para tocar no Delicious Pub, cervejaria da cidade. Victor sabia que o tecladista Daniel Tomy, após longa temporada em Minas Gerais, estava de volta a Ilhéus e o chamou para uma palinha. No embalo, Daniel convidou o baixista Ítalo Mendonça. O quarteto ganhou forma ali.

Naquela noite, quando o grupo fez um intervalo na apresentação, Victor se dirigiu a um dos espectadores e perguntou se havia gostado do som. “Porra! Uma puta orquestra, velho!”, respondeu o camarada, que, sem saber, batizava a banda recém-nascida.

“É UMA MISSÃO BOA”

O nascimento da Putorkestra! coincide com o período em que a eficácia das vacinas contra a Covid-19 permitiu maior flexibilização das medidas de distanciamento social. Com menos de seis meses, o grupo conquistou lugar cativo na Barrakítika, bar mais tradicional da boemia ilheense, onde se apresenta às terças, semanalmente. Também é figura fácil no Flow Burguer Bar e no Delicious Pub, novas casas da cena cultural sulbaiana.

A banda já desfruta de excelente aceitação, segundo Victor Santana, mesmo investindo em estilos que, hoje, não são os mais populares, como o jazz e a música instrumental brasileira. “Embora seja ainda um público no começo da formação, com poucos adeptos, por enquanto. É um tipo de arte que exige um pouco mais de atenção [do espectador]”, ressalva o baterista, que também é fundador da banda OQuadro.

Para Victor, os elementos definidores do jazz são liberdade, improvisação, não linearidade rítmica e interpretações singulares de uma música dançante. “Nada comercial”, resume.

– A gente prefere tocar uma parada mais underground pelo som e até pelo desafio à estrutura da música comercial. Divulgar um tipo de som mais diverso, não tão convencional assim. É uma missão boa. Sempre estive envolvido nisso, tocando como DJ, tocando rap com OQuadro, uma música mais diferente na época. Hoje em dia é comum, rap é pop, mas quando a gente começou era bem underground. É a mesma coisa com o jazz, né? Fico brincando, dizendo que o jazz vai ser o novo pop -.

Esse caminho, naturalmente, não é pioneiro, constata Victor. “Daniel [Tomy], por exemplo, com 13 anos, tinha banda com Mestre Sabará na bateria, com o pai dele, que é músico conhecido de São Paulo, Edmar Tomy”, diz, acrescentando que o baixista Ítalo Mendonça começou a carreira na banda Red Lion, de Ubaitaba.

COLHEITA NA NOITE

Na perspectiva de Zezo Maltez, a Putorkestra! é parte de um movimento de retomada da música instrumental na noite ilheense, que ganhou força nos últimos cinco anos. “A gente está colhendo o que vem plantando e regando ao longo desse tempo”, diz o saxofonista.

A pedido do PIMENTA, Zezo deu sua opinião sobre o impacto do Ilhéus in Jazz na cidade, com shows em praça pública, no meio de um feriado prolongado. “Tende a ser muito positivo, por conta da atividade cultural que vai ser promovida. Cultura, lazer, negócios, entretenimento. É uma cadeia muito interessante. Para a banda, é massa ver o reconhecimento do nosso trabalho pelo convite recebido e poder tocar em uma estrutura bacana”.

Confira trecho do show da Putorkestra! no Oxe, É Jazz, festival realizado em Itacaré no último final de semana.

PROGRAMAÇÃO DO FESTIVAL

Nesta sexta, além da Putorkestra!, o Festival Ilhéus in Jazz apresenta DJ Neto Nogueira e Adelmo Casé & Funk Machine. A primeira atração cultural do sábado (16), às 17h, será o espetáculo Vida de Circo, da companhia Circo da Lua. À noite, sobem ao palco Juvino Filho e Quarteto e Eric Assmar.

O projeto é uma realização da Gamboa, A4 Comunicação e AMB Bussiness’n Fun e tem patrocínio do Governo da Bahia, por meio da Bahiatursa, Prefeitura de Ilhéus e da cervejaria Devassa.

Martírio de Jesus é encenado pelo Grupo Via Sacra || Foto Alfredo Filho
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Grupo Via Sacra apresenta o espetáculo Paixão de Cristo, nesta Quinta-Feira Santa (14), às 20h30min, na escadaria da Catedral São Sebastião, no Centro Histórico de Ilhéus. Aberta ao público, a apresentação tem apoio da Prefeitura de Ilhéus.

A peça é um convite à reflexão e propicia um momento de renovação da fé em Cristo, descrevem os realizadores. A direção da obra é de Márcio Emílio, com a coordenação de Sandro Almeida.

Adelmo Casé, Eric Assmar e Putorkestra são atrações do Festival Ilhéus in Jazz
Tempo de leitura: < 1 minuto

O feriado da Semana Santa tem programação animada na Princesa do Sul, que promove o primeiro Festival Ilhéus in Jazz neste fim de semana. A Praça Ruy Barbosa, no Centro Histórico, recebe o palco do evento, com shows abertos ao público nas noites de sexta (15) e sábado (16).

A grade de atrações da primeira noite reúne DJ Neto Nogueira, Putorkestra, e Adelmo Casé e Funk Machine, a partir das 18h. No sábado será a vez de Juvino Filho & Grupo e Eric Assmar. O espetáculo Vida de Circo, do grupo Circo da Lua, também está na programação de sábado, às 17h.

PRAIA E CONSCIÊNCIA LIMPAS

O Festival Ilhéus in Jazz e o Grupo Amigos da Praia (GAP) convidam voluntários para o mutirão de limpeza no litoral sul. A ação ambiental faz parte da programação do evento e está marcada para as 7h30min deste sábado (16), com ponto de encontro na Cabana Codornas, na Praia dos Milionários.

A Cooperativa de Catadores Consciência Limpa (Coolimpa) é parceira do festival e, com o trabalho dos agentes de reciclagem cooperados, vai colaborar para a gestão adequada dos resíduos produzidos ao longo de todo o evento.

Ilhéus in Jazz é uma realização da Gamboa, A4 Comunicação e AMB Bussiness’n Fun, e tem patrocínio do Governo da Bahia, por meio da Bahiatursa, da Prefeitura de Ilhéus e da cervejaria Devassa.

Comerciantes e artistas ocupam praça pública de Ilhéus
Tempo de leitura: < 1 minuto

A 10ª Feira Cultural Rua Viva será neste sábado (9), a partir das 16h, na Praça Ruy Barbosa, na Avenida Soares Lopes, em Ilhéus. Além de atrações musicais, a feira reúne expositores da economia criativa. Dedicada à Páscoa, a edição deste fim de semana reservou lugar especial para os chocolates finos produzidos no sul da Bahia. Iniciativa tem apoio institucional da Prefeitura de Ilhéus.

Os visitantes também poderão experimentar cervejas artesanais e conhecer os artigos de moda e acessórios vendidos por comerciantes da região. A música ficará por conta dos artistas Pedro Neto e Zé Lima. A criançada terá uma programação especial de brincadeiras.

Rosemberg critica veto de Bolsonaro que tira mais de R$ 3,6 bi da cultura
Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado estadual baiano Rosemberg Pinto (PT) defendeu, hoje (7), que o Congresso derrube o veto do presidente Jair Bolsonaro à Lei Complementar que destinaria R$ 3,6 bilhões ao setor cultural, chamada de Lei Paulo Gustavo. O deputado baiano adere a campanha nacional e diz que a Lei asseguraria, pelo menos, R$ 250 milhões à cultura da Bahia.

“O Projeto não cria despesa, os argumentos usados não se sustentam. Ele apenas garante que o dinheiro que está parado, em dois fundos culturais, seja liberado. Para a Bahia, o impacto é enorme. Estamos falando do veto de R$286 milhões que chegariam, apenas no Estado, e que garantiriam a retomada do crescimento do setor”, defende o também líder governista.

A secretária estadual da Cultura, Arany Santana, avalia que a não transferência dos recursos do superávit financeiro do Fundo Nacional de Cultura, para os fazedores de cultura, causará um impacto negativo nas dimensões simbólica, cidadã e econômica dos estados e municípios brasileiros.

– Mais de 70% dos recursos da Lei Paulo Gustavo será aplicado no setor audiovisual, não podemos esquecer o estrangulamento da Ancine e seu impacto negativo na produção do cinema brasileiro. Estados e municípios já executaram os recursos da Lei Aldir Blanc e aguardam os incentivos da Lei Paulo Gustavo para, mais uma vez, fazer girar a roda da cultura – observa.

Fabrício entrega placa de homenagem a Kocó
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Câmara de Vereadores de Ilhéus aprovou moção de congratulação pelos 50 anos de carreira de Kocó, vocalista e líder da Banda Lordão. O artista recebeu a placa da homenagem nesta terça-feira (5), entregue pelo vereador Fabrício Nascimento (PSB), que indicou a honraria.

Kocó nasceu Clóvis Figueiredo Leite, há setenta anos, no Rio de Janeiro, mas foi na adolescência em Salvador que enveredou pela música, nos idos da década de 1960. E nunca mais parou. Radicado em Itabuna desde 1972, Kocó também é cidadão grapiúna, com reconhecimento da Câmara Municipal.

Fabrício disse que é difícil imaginar um morador ou moradora do sul da Bahia que não tenha na lembrança um bom momento marcado pela voz de Kocó. “Lordão faz parte da história de todos nós”. Já o presidente da Câmara de Ilhéus, Jerbson Moraes (PSD), disse que o gesto de reconhecimento dos vereadores representa o carinho de toda a sociedade ilheense em relação a Kocó.

Ao agradecer a homenagem, o líder da Banda Lordão disse que já trabalhou com centenas de artistas baianos. “Desde que cheguei aqui na Bahia, mais de 200 músicos passaram pela minha história, como Pedro Paulo e Reizinho”.

Shows do Oxe, é Jazz estão marcados para este final de semana
Tempo de leitura: < 1 minuto

A Praça da Mangueira, em Itacaré, será palco do Projeto Oxe, é Jazz, nesta sexta-feira (8) e no sábado (9), sempre a partir das 17h. Os shows vão reunir artistas de Salvador, radicados em Itacaré e de outras cidades baianas, a exemplo de Ilhéus, sob a curadoria do músico Eric Assmar.

Na sexta, o clarinetista Juvino Filho apresentará seu repertório acompanhado por acordeonista, baterista e baixista, mesclando elementos do choro e do jazz. Depois, sobe ao palco a banda Saravá Jazz Bahia, liderada pelo guitarrista Márcio Pereira.

No sábado, a cantora norte-americana Sandy Hill, moradora de Itacaré, apresenta novo trabalho em formato de quinteto. Na sequência, será a vez do quarteto ilheense Putorkestra.

O Projeto Oxe, é Jazz é promovido pela Mais Ações Integradas, com patrocínio do Governo da Bahia e apoio da Prefeitura de Itacaré.

Shows em praça pública embalam feriado da Semana Santa em Ilhéus
Tempo de leitura: < 1 minuto

O Festival Ilhéus in Jazz vai embalar o feriado da Semana Santa na Princesa do Sul, nos próximos dias 15 e 16. Será a primeira vez que a cidade terá evento cultural aberto ao público nesse período do ano desde o fim do Aleluia Ilhéus Festival, cuja última edição foi realizada em 2016.

O palco do Ilhéus in Jazz será montado na Praça Ruy Barbosa, perto da Avenida Soares Lopes, no Centro Histórico. As atrações musicais confirmadas são Adelmo Casé e Funk Machine; Putorkestra!; Juvino Filho & Grupo; Eric Assmar; e DJ Neto Nogueira. O evento também terá apresentação da trupe do Circo da Lua, com o espetáculo Vida de Circo.

O projeto é uma realização da Gamboa, A4 Comunicação e AMB Bussiness’n Fun e tem patrocínio do Governo da Bahia, por meio da Bahiatursa, da Prefeitura de Ilhéus e Devassa.

Trupe ilheense apresenta Sonhos - o que restou de nós depois da tempestade || Foto TPI
Tempo de leitura: 2 minutos

No espetáculo Sonhos – o que restou de nós depois da tempestade, o Teatro Popular de Ilhéus (TPI) apresenta ao público momentos marcantes dos seus 26 anos de história, dividida em três elementos alegóricos: o museu, o voo e o sonho. Para transportar os artistas entre os espaços da narrativa, a peça resgata a carroça de Uma certa Mãe Coragem, espetáculo que o grupo ilheense lançou em 2019.

O espaço do museu reúne recortes de uma memória em processo de construção, com cenas, personagens, músicas, figurinos, adereços e falas iniciais de alguns dos mais importantes espetáculos do grupo, desde 1995, na voz dos atores e atrizes que viveram as personagens.

Já o voo é a representação alegórica da experiência do grupo na Tenda, a lona circense onde o TPI funcionou de 2013 a 2021, que caiu no dia 26 de agosto do ano passado, durante forte tempestade. Imagens de espetáculos, público e experiências debaixo da lona são apresentadas, até que o circo voa, deixando em seu terreno o que restou destes mais de 26 anos de reinvenção do Teatro Popular de Ilhéus.

De volta à carroça, o grupo voa para o sonho de construção de seu próprio espaço, que é erguido no bairro Pontal, em Ilhéus. Nesse ato, os artistas põem mãos à obra para construir seu lugar de afetos e sensibilidade, colocando na cena a memória recente da montagem de Sonho de uma noite de verão, interrompida pela pandemia de Covid-19.

A estreia do novo espetáculo será neste domingo (10), na cidade de Ipirá, em apresentação aberta ao público. Até 27 de abril, a trupe ilheense percorrerá oito cidades do sertão baiano, apresentando-se sempre em praças públicas. O circuito também inclui os municípios de Pintadas, Conceição do Coité, Serrinha, Capim Grosso, Euclides da Cunha, Canudos e Uauá. A programação completa da turnê será divulgada em breve.