Tempo de leitura: < 1 minuto
Este blogueiro gostou muito deste clique da futura jornalista Luciane Nascimento, ilheense de 22 anos que encerra no segundo semestre o curso na Unime. É sem dúvida uma promessa da nova geração de profissionais que está para sair do forno
Por motivos óbvios, este blogueiro gostou muito desta imagem captada pela futura jornalista Luciane Nascimento, ilheense de 22 anos que encerra no segundo semestre o curso na Unime. É sem dúvida uma promessa da nova geração de profissionais que está para sair do forno

Tempo de leitura: < 1 minuto

A arbitragem deu um empurrãozinho e o Palmeiras venceu o rubro-negro baiano por 2×1, no Palestra Itália. O árbitro Héber Roberto Lopes não viu o gol legítimo marcado por Roger. Nem Héber nem seus auxiliares. O lance aconteceu aos 40 minutos do primeiro tempo. Roger recebeu de Apodi e cabeceou para o gol. A bola já havia ultrapassado a linha divisória do gol. E a arbitragem salvou a vitória Palmeiras que aconteceria no segundo tempo.
O gol rubro-negro aconteceu logo no início do segundo tempo. Marcos deu rebote e Apodi aproveitou para deixar o seu. Abaixo, confira todos os gols da partida.

Tempo de leitura: < 1 minuto

As mortes de torcedores de futebol envolvidos em conflitos a cada ano dobraram no Brasil em 2007 e 2008 em relação aos oito anos anteriores.
O resultado está em uma pesquisa coordenada pelo sociólogo Mauricio Murad, da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) e da Universo (Universidade Salgado de Oliveira), um dos pioneiros no estudo da sociologia no futebol.
Para ele, elos com o crime organizado e a internet contribuíram para o recrudescimento da selvageria entre as torcidas.
O trabalho revela que, entre 1999 e 2008, a média foi de 4,2 mortes por ano, em um total de 42. Considerado o período entre 1999 e 2006, foram 28 mortos, média de 3,5 em cada ano.
Quando o intervalo analisado se restringe a 2007 e 2008, o índice salta para 7. Ou seja, nos últimos dois anos, o número médio de mortes foi o dobro dos oito anos anteriores.
O estudo levou em consideração mortes nos estádios, nos arredores das praças esportivas e em confrontos provocados por integrantes de organizadas, mesmo longe dos gramados.
“”A pesquisa mostra que a violência entre os torcedores é crescente, preocupante e tem que ser contida”, diz Murad.
A pesquisa foi realizada com base em notícias dos principais jornais de cada região do país.
Como o universo analisado foi até 2008, a última morte contabilizada é a do são-paulino Nilton César de Jesus, 26.
Ele foi baleado na nuca por um policial em 7 de dezembro, antes da partida decisiva do Brasileiro entre Goiás e São Paulo, em Brasília. Morreu quatro dias depois no Hospital de Base. O torcedor partiu de São Paulo numa caravana da organizada Dragões da Real.
Leia mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

Agulhão não tem nada contra a antecipação da escolha da mesa diretora do legislativo itabunense, que apenas confirma velha tradição local de transformar certas datas em datas incertas…

Antecipar a eleição,

é coerente, não  faz mal:

já acabamos o São João,

mudamos Carnaval…

Falta o sete de setembro

passar pro mês de novembro

e pra janeiro… o Natal!

Tempo de leitura: < 1 minuto

O ex-prefeito Valderico enfrenta mais um processo
O ex-prefeito Valderico enfrenta mais um processo

O Ministério Público Estadual em Ilhéus concluiu as investigações sobre (mais um) esquema de licitação fraudulenta envolvendo o ex-prefeito de Ilhéus, Valderico Reis, e seu secretariado.
A denúncia do MPE atinge também Alexandra Gonçalves de Oliveira, ex-secretária de Finanças, o então secretário de Obras, Celso Assereuy; o empresário  Ilson Kuster e seu filho Frederico Kuster; os servidores públicos Maria Ludemila Nery e Raimundo Diógenes Campos; Paulo Henrique Ferreira dos Santos; e a R&L Terraplenagem.
A investigação mostrou que o grupo é responsável por condução forjada em processo licitatório, com direito a uso de laranjas e de notas fiscais com dados inverídicos, pagamentos efetivados sem contraprestação de serviço e desvio de dinheiro público entre outras irregularidades.
Todas essas traquinagens ocorreram durante uma concorrência pública realizada pelo Município de Ilhéus para locação de máquinas e veículos, que teve como vencedora a empresa R&L Terraplenagem Ltda.
Após a conclusão da investigação, que teve início em 2007, conduzida pela promotora Karina Cherubini, o Ministério Público ajuizou, na quinta-feira (4), uma ação civil por ato de improbidade administrativa contra os envolvidos. Colaboraram com o MP o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), Receita Federal, MP do Espírito Santo e 7ª Coordenadoria de Polícia do Interior. Clique aqui e leia toda a denúncia.

Tempo de leitura: 3 minutos
.

A ex-candidata a prefeita de Itabuna Juçara Feitosa parece que tomou gosto pela disputa política. Ontem, ela entrou em contato com o Pimenta para negar que já tenha tomado decisão sobre a sua pré-candidatura a deputada estadual, conforme nota publicada pelo colunista Marco Wense, aqui reproduzida.
Abaixo, confira o que disse ela sobre esse assunto, o esboço do que seria uma candidatura a deputada e como ela encarou o resultado eleitoral na disputa pela prefeitura de Itabuna, ano passado. E apesar de não se assumir pré-candidata, ela fez reivindicações e apresentou projeto ao governador Jaques Wagner, para a reurbanização do Jorge Amado. “É uma dívida histórica que Itabuna tem com aquela população e quem mora na periferia”, justifica. Atenção, pois, ao discurso.
Pimenta – Afinal, a candidatura é coisa do passado?
Juçara Feitosa – Olha, eu não declarei nada sobre isso. Ainda vamos tomar uma decisão, que não será só minha, mas a partir do que ouço nas ruas e da discussão com o partido. O que foi publicado não é verdade, é querer forçar. Não sei qual a intenção [da nota]. De minha parte, ainda não tomei a decisão.
E qual é seu sentimento?

Onde eu tenho andado e no trabalho que a gente continua fazendo, o sentimento é de que eu saia candidata. A minha decisão é mais para frente um pouco.
Quando?

Como disse, vai depender da vontade das pessoas, dos amigos e do partido, principalmente.  Se formos falar em prazo, é algo para decidir no próximo ano. Mas tem algo que me deixa orgulhosa, satisfeita. Nas ruas, as pessoas estão pedindo que saiamos candidata.
A senhora acredita que isso seja resultado da visibilidade como candidata em 2008?
Tem muito disso. As pessoas viram que a campanha foi feita com muita verdade, sinceridade. E com muita proposta de melhoria da vida das pessoas. Em qualquer lugar, tenho recebido muitos apelos [pela candidatura].
E se a decisão fosse tomada hoje, a senhora colocaria a pré-candidatura na rua?
Hoje, pelo que tenho ouvido, conversado com as pessoas, sim. Mas não conversei com o partido. Eu me sinto feliz das pessoas quererem . Não tenho a pretensão de definir isso agora.
As discussões sobre candidatura, como elas vão acontecer?
Primeiro, devemos pensar o que queremos para o futuro de Itabuna. Não é pensar só em campanha, só em ganhar eleição, mas ter projetos para a cidade, para a região. As discussões passam pelo que a gente quer para a cidade. O que a gente tá vendo aí é um atraso. A gente respeita a opinião do povo, mas a cidade não ganhou, deu passos atrás. Se eu puder ajudar e essa for também a compreensão do partido, das pessoas, eu sairei candidata.
Analistas apontam que a sua candidatura prejudicaria o projeto de reeleição de Geraldo.
De forma nenhuma. Caso saia, minha candidatura até contribuiria nesse sentido. Tem vários candidatos que Geraldo pretende ajudar, fazer dobradinha, independente da minha candidatura ou não. Geraldo vai sim ajudar as pessoas que nos apoiaram.
Mas não seria dividir o bolo demais?
O universo é imenso. Itabuna tem 210 mil habitantes, mais de 130 mil eleitores. O sul da Bahia tem três milhões de habitantes. Embora coloquem dessa forma, que prejudico se sair candidata, eu vejo o contrário.
O discurso já é de pré-candidata…
Não, é a lógica, a realidade. Veja a eleição passada [de 2006]. Demos apoio a Jota Carlos, mas vários candidatos se beneficiaram casando a disputa com Geraldo, embora não tivessem [feito dobradinha] oficialmente. Apareceu Sena casado com Geraldo, o Capitão Fábio com Geraldo.
E você, tem trabalhado só em Itabuna ou na região?
Não tenho feito nada fora. A campanha a prefeita nos deu grande visibilidade. Tenho viajado, mas não no intuito de candidatura. Acompanho Geraldo porque ele tem mandato, mas quando posso. E ele apoiou muita gente na campanha a prefeito de outros municípios.
E falando sobre a sua candidatura a prefeita, o que ficou de aprendizado?
Olha, acho até que Geraldo fez mais campanha para os prefeitos das outras cidades do que da minha. Mas isso deu cacife eleitoral para ele. Por isso, que a minha candidatura, caso saia, não o prejudica. Mas sobre a disputa do ano passado, não me considero derrotada. Comecei com quase 2% das intenções de voto e terminei com mais de 40 mil votos.
Esse não seria discurso de pré-candidata?
Não posso esquecer de tudo isso, da campanha de 2008, e o apelo para que eu saia candidata, repito, é grande. Mas dizer que disputarei uma vaga, que serei candidata sem discutir com o partido, não dá. Essa discussão ainda não tive. A decisão será equilibrada e com muita responsabilidade. No PT, a gente primeiro tem que discutir. Mas a vontade das pessoas é essa.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Encontra-se internada no Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, um bebê de 11 meses com suspeita de gripe suína. Segundo informações, a criança chegou recentemente dos Estados Unidos, para onde viajara em companhia da mãe.
Devido à suspeita, a paciente foi colocada no isolamento.
Atualizado às 9h41min (08.06.2009)

Tempo de leitura: < 1 minuto

Pequenos agricultores querem o apoio da Ceplac
Pequenos agricultores querem o apoio da Ceplac (foto Luiz Alberto Alves - Ascom/Ceplac)

Pequenos produtores rurais da área que a Funai quer entregar para
os índios tupinambás em Ilhéus, Una e Buerarema aproveitam a
solenidade na Ceplac para cobrar das autoridades presentes uma posição contrária à demarcação.
Quatro faixas foram estendidas no auditório do Cepec, denunciando a apreensão das famílias, que temem um possível conflito na região apontada como terra indígena pela Funai.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente da APC (Associação dos Produtores de Cacau), Henrique Almeida, foi objetivo ao falar sobre o FNE Verde, a mais recente concessão do Governo Federal ao PAC do Cacau:
– A porteira está aberta. Onde passa um boi, passa uma boiada.
Em tempo: apesar do linguajar pecuário, ele estava falando mesmo era de cacau.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Apesar de ser prefeito de Ilhéus, cidade onde fica  a sede regional da Ceplac, Newton Lima não deu o ar da graça no evento que comemora o Dia Internacional do Cacau (ver posts logo abaixo). Lima pelo menos se preocupou em mandar representante, mas não fez a gentileza de justificar o motivo da ausência.
De Itabuna, aportaram na Ceplac o prefeito Nilton Azevedo, com o
secretariado em peso (menos Carlos Burgos, como sempre) e os deputados Geraldo Simões (federal) e Capitão Fábio (estadual).

Tempo de leitura: < 1 minuto

Tamém na Ceplac, o secretário de Agricultura da Bahia, Roberto Muniz, disse que o FNE Verde é um grande avanço, pois permite a todos os produtores quitar as dívidas num prazo maior, com oito anos de carência e doze parapagamento. Muniz, no entanto, defende a ampliação do número de produtores beneficiados, dos atuais 8.500 para 13 mil.
“Temos que abranger um numero maior de produtores e não limitar o sul da Bahia apenas à produção de cacau, mas partir para projetos de diversificação, como dendê, seringueira, flores, frutas e a agroindústria”, afirmou.
 
O secretário admite que o PAC do Cacau deve ser aprimorado, no sentido de
definir novos parâmetros sobre os descontos no total dos débitos e a
situação dos produtores que tem dívidas no PESA. “Isso está sendo
feito pelo Governo da Bahia, através da Seagri, numa articulação com
o Governo Federal”.
 
Muniz disse ainda que o PAC do Cacau vai inserir o sul da
Bahia nesse novo contexto de desenvolvimento, que inclui o Porto Sul e
a Ferrovia Oeste-Leste.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O secretário geral da Ceplac, Jay Wallace, abriu há poucos instantes, na sede regional do órgão, o evento que comemora o Dia Internacional do Cacau. Wallace confirmou os numeros da Cacau TH Consultoria, que revelam crescimento da produção de cacau nos últimos dez anos, de 84% no Pará e 15% no Espirito Santo. Enquanto isso, na Bahia, a lavoura estagnou entre 104 e 140 mil toneladas,um terço da fase pré-vassoura de bruxa.
Segundo o diretor-geral, a Ceplac dispõe de tecnologia para aumentar a
produtividade das atuais 15 arrobas por hectare para 50 arrobas por hectare. O que falta é dinheiro para retomar a produção. 
Wallace afirmou que, assim que os produtores renegociarem suas dividas através do FNE Verde, o sul da Bahia voltará a produzir cacau em níveis capazes de tornar desnecessária a importação do produto.
 
Mas isso é coisa para 8, 10 anos…

Tempo de leitura: < 1 minuto

Dois jovens não identificados, um deles armado com um revólver, fizeram diversos assaltos por volta das 6 horas da manhã deste domingo, na feira do bairro Califórnia, em Itabuna.
Os bandidos atacaram alguns feirantes que, sob a mira da arma, foram obrigados a entregar dinheiro e celulares.