Tempo de leitura: < 1 minuto

A chuva do fim da tarde desta segunda-feira (23) durou pouco menos de duas horas, mas foi o suficiente para alagar ruas e avenidas do centro de Eunápolis, mostrand a fragilidade da estrutura.

Nas vias em torno da Praça Eunápio Peltier de Queiroz, trecho reconstruído a cerca de dez anos, os veículos tiveram dificuldade para transitar e muitas pessoas que saíam do trabalho ficaram praticamente ilhadas nas calçadas e em lojas. Radar 64.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Segundo o blog Agravo, escolas da rede municipal em Ilhéus estão há 30 dias sem oferecer a merenda a seus alunos. Pior, a secretaria de educação até agora não prestou nenhum esclarecimento sobre a falta de ‘rango’ nas escolas. Devido à situação, relata o blog ilheense, “alguns pais estão na bronca e vem sofrendo em ver seus filhos com fome”.

Tempo de leitura: < 1 minuto
dengue-aedes1

Dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) revelam que a epidemia de dengue em Itabuna está longe do fim. Em apenas uma semana, a cidade notificou 1.106 casos suspeitos da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti.
Os números foram apurados entre os dias 16 e 23 e, afirma o jornal A Tarde, desmentem a versão apresentada pelo prefeito Capitão Azevedo e pelo secretário municipal de saúde, Antônio Vieira, para quem a epidemia estava estabilizada.
Por conta disso, o promotor público Clodoaldo da Anunciação abriu investigação para apurar as responsabilidades também de Vieira e Azevedo, e não somente do ex-prefeito Fernando Gomes e dos ex-secretários Jesuíno Oliveira e José Henrique Carvalho.
A promotoria argumenta que Azevedo era vice-prefeito e não se implementou uma equipe de transição para avaliar os números da dengue que se mostravam altos e preocupantes desde o ano passado. O prefeito se defende e diz que recebeu a prefeitura sem 400 servidores da saúde.

Tempo de leitura: 3 minutos

rafaelmoreiraRafael Moreira
gama.moreira@hotmail.com

A violência, apesar da sua gênese ocorrer a partir das desigualdades sociais, tem a sua externalidade também nos objetos, nas técnicas de segurança que alguns podem pagar para obter.  São paisagens, aquilo que as vistas alcançam (SANTOS, 1997) e que demonstram uma sociedade em estado de medo, de insegurança e no caso de Itabuna-BA isto não é diferente. Grades, muros altos, cercas eletrificadas, são apenas alguns exemplos desta paisagem do medo.

São expressões de uma sociedade marcada por grandes diferenças sociais e pela exacerbação do individualismo, em que o pensamento coletivo na resolução dos problemas se encontra subalterno ás ações individuais do trancar-se cada vez mais, em detrimento da procura por identificar as causas de tal estado de insegurança, quanto à vida e ao patrimônio, e agir nelas.

Para o sociólogo e geógrafo Demétrio Magnoli, a violência se expressa de forma intensa na paisagem e contribui de duas maneiras para a infração dos direitos coletivos por sobre o espaço público: a primeira se dá com a apropriação privada do espaço público: “vias de tráfego e calçadas são interrompidas por cancelas e portões”; a segunda se materializa conforme a proteção da vida e do patrimônio, neste caso público e/ou privado, como que enclausuram o indivíduo.

Entender a expansão da violência nas cidades é também poder compreender o quanto esta sociedade é desigual e excludente, e o quanto esta fecha as portas àqueles que não se enquadram no perfil de consumidor ativo e/ou de mão-de-obra geradora de lucro. A violência, mesmo que não justificada em nenhuma de suas modalidades, na maioria das vezes, vem como resposta dada por um grupo social às mazelas às quais são submetidos.

Com isso percebemos que as classes mais favorecidas economicamente vão montar uma estrutura em torno da proteção da vida e do seu patrimônio, que vão deixar-lhes como que numa ilha isolados no interior das suas habitações, enxergando o mundo externo a esta como lugar do medo e dos riscos, posto que o Estado não garante a segurança de quem por ele transita.

Não pretendemos, com esta reflexão, atribuir culpa a nenhuma das classes sociais pelo estado de insegurança ao qual toda a sociedade está submetida, entretanto, há de se considerar que todos possuem sua parcela de responsabilidade e que aqueles que possuem melhores condições culturais, econômicas, entre outras, acumulam maiores responsabilidades (na luta contra a estrutura de isolamento que vem sendo construída) e, na maioria das vezes, encontram-se omissos.

Este isolamento contribui para a exacerbação do individualismo e para a perda da atenção antes focada na figura do outro. Assim o que outrora fora uma possibilidade (de amizade, de negócios, de auxílio etc.) hoje, na maioria das vezes, se configura como uma ameaça. Ou ainda como, no dizer de Magnoli, “a cidade parece desistir da sua vocação histórica, de lugar de encontro e intercâmbio”.

É sobre o espaço urbano, socialmente construído, mutável e repleto de dinamicidade que as relações de violência vão se estabelecer, se dando, de um lado, sob a forma de atos como: sequestros, assassinatos, assaltos entre outros, e de outro, com a construção de novos “feudos” que enclausuram aqueles que podem pagar por esse modelo de (in)segurança, reafirmando as relações de individualismo e reforçando a ideia de que os indivíduos que não se enquadram no estereótipo de consumidor ativo são mercadorias que podem ser descartadas.

E é neste mesmo espaço (o urbano) que vai se estabelecer a criminalidade, pautada em ações contra a vida e o patrimônio, que vai provocar, a cada dia, um maior isolamento das famílias em suas residências, vivenciando aquilo que Rodrigues aponta como a sociedade dos “incógnitos”.

Restam alguns questionamentos: até que ponto, as ideias anteriormente apresentadas diferem daquilo que nós vivenciamos, cotidianamente, em nossa cidade? Em que medida o poder público tem se manifestado a fim de proporcionar aos contribuintes a devida segurança? De que maneira vocês/nós/toda a sociedade temos nos comprometido com a causa de se lutar por relações menos desiguais, e, por conseguinte, por uma cidade menos violenta? Vale a pena refletir.

Rafael Gama Moreira é Professor de Geografia, Vice-Diretor e Coordenador Pedagógico da Cooperativa Educacional de Itabuna (COOPEDI).

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado federal Raymundo Veloso demonstrou todo o seu conhecimento político ontem, no programa CQC (Custe o Que Custar), da Band.
Perguntado pelo repórter Danilo Gentille sobre o significado da sigla PMDB (Partido do Movimento Democrático Brasileiro), legenda à qual pertence, o nobre parlamentar baiano nem passou perto da resposta certa.
E o Pimenta pediu a colaboração do leitor na garimpagem do vídeo… Pois é. Alguém achou e enviou pra gente. Obrigado, Dani Reis.
Eis o vídeo.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Um mês e cinco dias após o assassinato do traficante Paulo Pezão, em Ilhéus, o filho dele, de prenome Jefferson, foi morto pouco antes das 5 horas da manhã desta terça-feira (24), em frente à loja Jupará Motos, no bairro do Malhado.
Jefferson tinha aproximadamente 20 anos e, segundo informações da polícia, também era envolvido com o tráfico de drogas. Quando Pezão foi executado, no dia 19 de fevereiro, o filho chegou a perseguir os assassinos.
Em Itabuna, outro filho de traficante foi executado ontem à noite, no bairro Santo Antônio. Josivaldo Santos Borges, de 26 anos, o Jó Pistolinha, foi baleado por homens ainda não identificados.
Apesar do envolvimento com o tráfico, os registros da polícia confirmam apenas uma prisão dele, por porte ilegal de arma.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Do site Última Instância:
O Ministério Público Federal entrou com uma ação para proibir que veículos novos saiam da fábrica com sistema de monitoramento e antifurto instalado. Para a Procuradoria, a medida, que entraria em vigor em 2010, pode fazer com que as pessoas fiquem monitoradas 24 horas por dia.
Montadoras consultadas pelo MPF afirmaram que os equipamentos de antifurto e rastreamento podem ser monitorados, independentemente da autorização do proprietário.
“A decisão de monitoramento é possível, mas cabe estritamente a pessoa, como decisão individual e não como submissão a uma determinação autoritária de inclusão em todos os veículos saídos de fábrica”, afirma o procurador Marcio Schusterschitz da Silva Araújo, autor da ação.
A instalação, que deve tornar os veículos mais caros, foi regulamentada pela resolução 245 do Contran e pelas portarias 47 e 102, do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito).
Leia mais

Tempo de leitura: < 1 minuto

Nas rádios cariocas, ainda tem gozação com o Flamengo por conta da derrota para o Vasco no domingo (22). Uma das sacanagens é a de que o Mengão, além de perdedor, é pagador… Isto porque a vitória deu ao alvinegro o direito de ficar com a maior fatia da renda de R$ 1.213.044,00.
E com a grana, a equipe de Roberto Dinamite regularizou parte dos salários atrasados dos seus atletas.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Emissários do secretário da Fazenda, Carlos Burgos, foram à Câmara de Vereadores, no final da tarde desta segunda. Procuraram representantes da Mesa Diretora para tentar seduzi-los com um apelo um tanto simplório: ou a Câmara aprova o nome de Juliana Burgos para a Procuradoria-Geral do Município ou será deflagrada uma crise no governo de Azevedo.
Os emissários, um deles expurgado do governo no início do mês, disseram que a crise seria detonada não pela derrota política no Legislativo, mas pela saída em peso da família. É que Carlos Burgos estaria ameaçando deixar o governo junto com os filhos (além de Juliana na procuradoria, Otaviano Burgos integra o governo como diretor de Tributos).
Lá no Centro Administrativo Firmino Alves, no entanto, a informação é de que Capitão Azevedo nem mais trabalharia com a perspectiva de aprovação do nome de Juliana para a procuradoria. O nome preferido para o cargo seria o de Oduvaldo Carvalho, presidente da OAB-Itabuna.
Oduvaldo conta com a simpatia de Fernando Gomes, que muitos maldosamente comentam ser o oráculo de Azevedo.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O deputado federal Geraldo Simões (PT) é daqueles que faziam leitura razoável sobre o potencial de votos de Geddel Vieira Lima para o governo do estado, hoje comprovado pelo instituto Datafolha, em que o peemedebista aparece com 7% e 8% dos votos.
Ao Pimenta, Geraldo defendeu que Geddel procure logo um toco para amarrar o jegue. “A pesquisa mostrou que o pasto do jegue dele é do lado de cá”. Apesar das desavenças públicas com o ministro da Integração Nacional, o petista defende que Wagner trabalhe para ter o peemedebista no seu campo de alianças em 2010. “Foi um aliado de primeira hora (em 2006)“.
O deputado federal, no entanto, critica Geddel num ponto: “essa farromba dele desde que Wagner assumiu o poder não ajudou. Você viu para onde vão os votos dele quando ele sai da disputa?”, questiona Geraldo. O vice-líder do PT na Câmara não completa o raciocínio, apenas deixa subentendido que apenas 25% dos votos de Geddel vão para Wagner (2%). O restante é descarregado no grupo carlista (6%).
O petista completa afirmando que o que mais colabora para isso é o discurso do peemedebista, que é “ambíguo quanto a se vai ou não apoiar o governador baiano em 2010”. Geddel, por ele ou através do porta-voz Lúcio Vieira Lima, ainda sugere que pode se aliançar com o grupo oriundo do carlismo (Paulo Souto, ACM Neto ou César Borges).

Tempo de leitura: < 1 minuto

O taxista Gilberto Silveira, que aparentava ter entre 55 e 60 anos, foi assassinado com dois tiros, por volta das 22 horas desta segunda-feira (23), na avenida Itabuna, centro de Ilhéus.
Gilberto dirigia seu táxi, um Gol branco de placa JQQ-1209 e, segundo testemunhas, era perseguido por dois homens em uma moto. Quando o taxista saiu da rua Ciridião Durval e pegou a avenida Itabuna, sentido rodoviária, o piloto da moto emparelhou com o carro, e o homem que ia na carona disparou dois tiros, que provavelmente atingiram a cabeça da vítima.
Ferido, o taxista perdeu o controle do veículo, que se chocou violentamente com um poste da rede de energa elétrica. Gilberto foi socorrido e levado para o Hospital Geral Luiz Viana Filho, mas não resistiu e morreu.
A polícia não tem pistas dos criminosos.

Tempo de leitura: < 1 minuto

O presidente Lula aproveitou a solenidade em Salvador, e a presença da ministra Dilma Roussef, para falar de eleição a todo momento em seu discurso de cerca de uma hora. Segundo ele, a oposição não terá discurso em 2010 e que espera em 2010 colher o que plantou, adubou e irrigou nos oito anos de governo. A boa colheita de Lula, por hora, significa a eleição da ministra.
Em privado, segundo parlamentares, o presidente teria parabenizado o governador Jaques Wagner pelo desempenho na pesquisa Datafolha (confira).

Tempo de leitura: < 1 minuto

A crise econômica definitivamente bateu na porta das prefeituras. A queda na arrecadação virou pesadelo para os gestores que venceram a eleição em outubro sem imaginar que em janeiro receberiam um abacaxi para descascar. Alguns já temem o impacto da bancarrota nas folhas de pagamento e a possibilidade de perder a sintonia com a Lei de Responsabilidade Fiscal.
Nas prefeituras da região cacaueira, já se fala em eliminar várias despesas, a exemplo dos gastos com hora extra.
O tempo é de choro e ranger de dentes…

Tempo de leitura: < 1 minuto

Desde que implantou a política de modernização e regionalização de frigoríficos, por meio de incentivos fiscais, o Governo da Bahia divulga ter conseguido um incremento de 200% no abate inspecionado. Isso significa mais carne de qualidade e certificada para o mercado.
De acordo com a Seagri, em dois anos foram instalados 23 novos frigoríficos e há outros 13 pedidos de licenciamento esperando na fila. Mais cinco empreendimentos destinados ao abate de gado deverão entrar em funcionamento até dezembro.
No último final de semana, foi inaugurado em Alagoinhas o Frigoalas, com a presença do governador Jaques Wagner e do secretário de Agricultura Roberto Muniz. Na inauguração, Wagner se apresentou otimista, declarando que “em meio à crise, a boa notícia é inaugurar novos empreendimentos e gerar trabalho”.

Tempo de leitura: < 1 minuto

Causou estranheza nos meios políticos a ausência do ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, na solenidade em que o presidente Lula anunciou mais recursos e a ampliação do programa Territórios da Cidadania, em Salvador, no iníco da noite de hoje.
Nas últimas visitas do presidente à Bahia, o ministro sempre esteve colado a Lula e ao governador Jaques Wagner. Coincidência ou não, hoje saiu a pesquisa Datafolha em que Geddel aparece apenas entre a quarta e a quinta posições na pesquisa com 8% ou 7% das intenções de voto (confira).
Espera-se que ele não falte amanhã à abertura da Mostra Nacional de Desenvolvimento Regional, no centro de convenções de Salvador.